Superpop promove debate quente entre ativistas gays e representantes evangélicos

Superpop promove debate quente sobre intolerância gay

Atualizado: Quarta-feira, 1 Agosto de 2012 as 10:32

Nessa terça-feira, a apresentadora Luciana Gimenez dirigiu um debate sobre intolerância e homossexualidade no SuperPop, da RedeTv!.

A pastora evangélica homossexual Lanna Holder, o jornalista gay Felipeh Campos e o presidente da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, Fernando Quaresma, defenderam o ponto de vista dos homossexuais. E a psicóloga Marisa Lobo, o pastor ex-gay Robson Staines e o pastor Antônio Silva representaram a igreja.

Vídeos que retratam a agressão contra homossexuais foram exibidos pelo programa mostrando a intolerância. O problema foi o rumo que as discussões tomaram.

O uso indevido da Bíblia foi citado por Lanna Holder, que afirma ter pregado errado por um tempo. "Eu deixei de ser uma bênção de um dia para o outro porque eu aceitei quem eu era. Eu vivo o que prego, não prego o que quero viver", disse ela.

Marisa Lobo defendeu sua ação como psicóloga independente de sua crença religiosa e foi muito criticada por Felipeh Campos que chegou a ameaçar de denunciá-la mais uma vez para que tenha a licença de psicologia caçada.

Curioso mesmo é ouvir as palavras do ativista gay Fernando Quaresma, que criticando o preconceito contra homossexuais agiu com preconceito com os evangélicos ao dizer que parte da violência contra os gays são feitas por evangélicos. 

Ao dizer que os ensinamentos da igreja motivam essa violência, a apresentadora Luciana Gimenez frisou que ele também não deve agir com preconceito porque ele não sabe se isso é verdade.

Além disso, o ativista fez uma infeliz comparação ao dizer que não conhece ex-anão, ex-negro e também não conhece ex-gay.

Leia também:

Candidatos contam com apoio declarado de líderes evangélicos

Pastor diz que dilúvio foi motivado pelos homossexuais

Assista aos vídeos do debate no Superpop

veja também