Surdos cristãos superam limites e reafirmam missão

Surdos cristãos superam limites e reafirmam missão

Atualizado: Segunda-feira, 29 Novembro de 2010 as 1:32

Douglas Silva, 23, e Karen Sanches, 26, ambos surdos, se casam no dia 19 de dezembro. Além do romance, a história tem contornos evangelísticos. Ele passou no vestibular e vai cursar teologia na Faculdade Adventista da Amazônia (FAAMA), em Belém, PA. Ela, portadora de dois diplomas universitários, foi a responsável pelo batismo de Aline Feza, durante o evangelismo via satélite, em Maringá, PR, em outubro passado.

Ao lado de líderes do Ministério de Surdos Adventistas no Brasil, (que representa 57 ministérios) os noivos seguraram o livro “Ainda Existe Esperança” de Enrique Chaij, carro-chefe da campanha missionária para oito países sul-americanos, para reviver milagres e reafirmar compromissos evangelísticos para 2011, apesar dos limites. Cerca de 2,4 mil pessoas assistiram ao evento ocorrido sábado, 27 de novembro, no UNASP, campus Hortolândia, com a participação do campus São Paulo.

Durante o sermão, o professor de biologia Wellington Romangnoli, também um dos coordenadores do ministério em Hortolândia, SP, apresentou desafios, mas, também testemunhos. Antes, o ancião surdo fez a oração intercessora e a orquestra com o Chorus Dei, interpretou “Ora Vem, Jesus Cristo”, um negro spiritual do século dezenove.

A igreja se emocionou ao rever as imagens do batismo de Aline Feza, que veio ao IASP abraçar a amiga surda Karen, pessoa que lhe deu os estudos. “A paixão pela missão nos une e nos impulsiona”, pregou Romangnoli.

Evento repleto de emoções.

Além disso, houve o batismo do casal Eugênia e André Raldi, feito pelo pastor Antonio Braga Filho, durante o segundo culto. Outro momento de emoção foi a presença de Daniela de Souza Lima, também deficiente, fruto do Impacto Esperança 2010. Em maio deste ano, o Ministério de Surdos do IASP se uniu ao esforço sul-americano na distribuição do livro missionário “Tempo de Esperança”, escrito pelo pastor Mark Finley. Vestidos de camisetas, eles decidiram fazer uma entrega seletiva, para atingir somente pessoas portadoras com necessidades especiais.

No trajeto, encontraram Daniela Lima que estava afastada da Igreja. Resultado: hoje, Daniela estuda a Bíblia para ser rebatizada, acompanhada de Michele, também surda. Ano que vem, o UNASP Hortolândia em parceria com a Igreja do IASP pretende distribuir 15 mil livros “Ainda Existe Esperança”, a ferramenta missionária da Igreja Adventista na América do Sul para 2011.

A propósito, o Noticiário da Revista Adventista de dezembro traz ampla reportagem sobre o Ministério dos Surdos Adventistas, inclusive, com atualização de dados estatísticos e história de vidas transformadas.

LIBRAS para o Mundo Estatísticas oficiais indicam que de 2 a 3% da população brasileira é constituída por pessoas surdas. “E, o contingente de adventistas com essa deficiência é alto”, revela Romangnoli, o pregador do culto. Ele destacou a ausência de materiais em LIBRAS para o evangelismo específico e produção de ferramentas próprias, “inclusive para a comunhão espiritual dos surdos, como vídeos”, salientou.

  Líderes do trabalho voltado para os surdos.

Para minimizar os desafios nesta área, a Lição da Escola Sabatina em linguagem própria é postada na Internet desde 2008. O web design Elias Fernandes, atual coordenador do projeto, informou que apesar da interrupção de quase um ano, no entanto, hoje, o número de acessos é crescente. “A semana passada a média foi de 2 mil”.

Para a presidente dos Intérpretes Adventistas, a enfermeira Jackeline Fernandes, para compreender de fato “mundo do silêncio” é preciso aprender a se interagir com a pessoa deficiente auditiva, e isto vai muito além da comunicação gestual em LIBRAS. “Foram eles que me mostraram o significado do amor”, admite.

O presidente dos Surdos Adventistas, Douglas Silva (que será o primeiro aluno surdo no curso de teologia da FAAMA), desafiou a Igreja Adventista a conhecer a cultura dos deficientes auditivos. A insuficiência não nos impede de irmos a “toda tribo, povo e nação, proclamar a mensagem adventista em nossa língua específica que é o gesto”, afirmou emocionado. Um detalhe: Douglas é fruto da influência missionária do IASP, enquanto morava no Jardim Amanda, bairro próximo a instituição. Seu batismo foi realizado pelo diretor interno, pastor David Prates dos Reis, em 2005.

10 maneiras de ajudar: 1. Cumprimente os surdos com sorriso ou um aperto de mão. Os surdos são visuais.

2. Chame atenção do surdo com um aceno ou toque em seu ombro.

3. Não grite e nem altere o tom da voz. Fale e olhe com naturalidade.

4. Reserve os bancos da frente da igreja. Os surdos precisam de concentração.

5. Não passe entre o intérprete e os surdos. Lembre-se que a comunicação é visual e não sonora.

6. Evite colocar atrás do intérprete objetos que desviem a atenção (enfeites, luzes, instrumentos).

7. Não desligue as luzes da igreja, sem que haja para o intérprete um foco luminoso auxiliar.

8. Convide os surdos para participarem dos cultos, como plataforma, oração, cultos jovens.

9. Aprenda LIBRAS, a Linguagem Brasileira de Sinais.

10. Ore pelo Ministério dos Surdos em sua igreja, comunidade, país e mundo.

Serviço Presidente dos Surdos Adventistas - [email protected] Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Presidente dos Intérpretes Adventistas - [email protected] Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Informações - [email protected] Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. 

veja também