Teria Martin Luther King Jr. apoiado "causas demais"?

Teria Martin Luther King Jr. apoiado "causas demais"?

Atualizado: Terça-feira, 21 Janeiro de 2014 as 7

Teria Martin Luther King apoiado causas demais?Hoje, as pessoas nos Estados Unidos vão se lembrar de homenagear o Dr. Martin Luther King Jr. e seu sonho de uma América igualitária.
 
Ícone dos direitos civis, cuja resistência não-violenta ajudou a integrar a causa da igualdade racial, Dr. King é uma figura muito admirada nos dias atuais.
 
Tão admirado pelos americanos, que muitos grupos o citam ao avançar com suas respectivas causas na esfera pública.
 
Ao falar sobre o quê Dr. King acreditaria em relação às questões da Igreja e do Estado, em 2005, Bill O'Reilly argumentou que o grande líder "ficaria chocado com a cultura secular, os ataques no Natal e a demonização do Cristianismo".
 
Então, novamente, Rob Boston, do grupo "Americanos Unidos pela Separação entre Igreja e Estado" escreveu em 2006 que "Martin Luther King Jr. não era amigo da direita religiosa" e também "não era defensor da politicagem partidária no púlpito".
 
Em relação ao conflito palestino-israelense, o grupo pró-Israel, "Liga Anti-Difamação" declarou que King "era um líder na luta para libertar judeus soviéticos e apoiou o direito de Israel a um estado seguro e independente".
 
Curiosamente, Adri Nieuwhof do site Pró-palestino tirou uma conclusão diferente sobre a mensagem do Dr. King a respeito do conflito.
 
"Martin Luther King deixou muito claro que nós deveríamos agir contra a injustiça estabelecer uma quarentena eficaz para Israel, assim como fizemos com o apartheid na África do Sul", escreveu.
 
Parece que quase todos as causas na esfera pública norte-americana, liberais ou conservadoras, estrangeiras ou nacionais, invocaram Dr. King como um aliado.
 
No entanto, teriam todos esses endossos póstumos ido longe demais?
 
Além de seu tempo
Nascido em 1929, Michael Luther King Jr. cresceu e se tornou uma grande figura pública na luta pela igualdade racial.
 
Pastor e presidente da "Southern Christian Leadership Conference" ("Conferência da Liderança Cristã do Sul"), King era um líder engajado no esforço para eliminar a segregação racial e a supremacia branca estabelecidas pelas leis de Jim Crow.
 
Os resultados de seus esforços variaram entre sua prisão e ganhar o Prêmio Nobel da Paz. Suas palavras apaixonadas em discursos como o famoso "I Have a Dream" ("Eu Tenho Um Sonho") ainda inspiram muitas pessoas.
 
King também tinha opiniões sobre outras questões, defendendo, entre outras coisas, o aumento de programas assistenciais para os pobres e um fim ao envolvimento dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã.
 
Muita coisa mudou nos EUA desde que o Dr. King foi assassinado em 1968, com debates e questões contemporâneas emergentes, que estavam em grande parte adormecidas durante sua carreira pública .
 
Certas questões, como a Ação Afirmativa e direitos dos homossexuais, foram como "botões" pressionados para incitar muitos debates "quentes", após a morte de King, debatendo as opiniões do líder.
 
Apoios Incertos
Tanto defensores, como opositores da "Affirmative Action" ("Ação Afirmativa", em uma tradução livre) [políticas que se baseiam em questões como raça, cor, religião ou sexo para receber benfícios] argumentaram que Dr. King teria sido do seu lado se vivo.
 
Desde o início, a "Affirmative Action" teve os seus programas, em sua maioria criados no final dos anos 60 e início dos 70 , porém King não fez comentários sobre tais propostas específicas.
 
Muitos oponentes da "Affirmative Action" têm argumentado que Martin Luther King Jr. iria se opor aos programas, uma vez que foi o ele mesmo quem disse que as pessoas devem ser julgadas pelo seu caráter e não pela cor de sua pele .
 
Alguns defensores da medida têm se posicionado a respeito, apontando para o apoio de King à criação de programas do governo que ajudem os menos afortunados, incluindo afro-americanos, em particular.
 
"É uma tática comum de debate para afirmar que alguma figura respeitada do passado endossaria sua posição sobre alguma controvérsia do presente ", escreveu Eric Foner , em um trecho de seu texto, ao argumentar contra a idéia de que King iria se opor à "Affirmative Action".
 
"Há pouca dúvida de que os originais iriam encontrar os pontos de vista que lhes são atribuídos, por vezes, surpreendente. Abraham Lincoln , por exemplo, tem sido apontado como um antepassado por todos, desde comunistas a Dixiecrats.
 
Os motins de Stonewall são vistos como o início do dia pelo movimento moderno dos direitos gays e aconteceram um ano após o assassinato de Martin Luther King .
 
É uma questão de registro que King pensou negativamente sobre a homossexualidade. Em uma coluna de conselhos para a revista Ebony, o líder afirmou que a homossexualidade era um "problema" que foi "culturalmente adquirido".
 
No entanto, isso não terminou o debate para muitos, como numerosos grupos de ativistas gays que citam o Dr. King como alguém que teria apoiado a sua causa, se ainda vivo.
 
A própria família do líder teve divergências sobre a questão, assim como os outros comentadores sociais que têm debatido se King teria ou não "evoluído" com os tempos.
 
Em última análise, são muitos os esforços de tantos grupos ideológicos diferentes para reivindicar o apoio de Dr. Martin Luther King Jr. como se fossem suas próprias testemunhas, pela influência e popularidade que o memorável líder dos direitos civis tem na América Moderna.
 
Por Michael Gryboski (Christian Post)
 
*Tradução por João Neto

veja também