Thiago Grulha: "É possível casar militância intelectual e fé"

Thiago Grulha: "É possível casar militância intelectual e fé"

Atualizado: Segunda-feira, 1 Julho de 2013 as 7:13

leitura da bíbliaQue a vontade de conhê-lO não seja uma desculpa para a ignorância.
 
O universo evangélico precisa de mais gente com a criticidade bem embasada em estudos, pesquisas, diálogos e fundamentos cientifícos.
 
Muitos daqueles que se deram o direito de questionar certezas religiosas foram estigmatizados, rejeitados, e outros até condenados à morte. Há um certo preconceito contra quem pensa e expressa o que pensou.
 
Eu fiz uma faculdade, mas confesso que não tive a garra acadêmica. Não realizei projetos, não dediquei-me a seminários e pouco interagi com a classe com quem trabalharia no futuro. 
 
Fui um bom aluno (no que diz respeito a entender conteúdos e ser bem avaliado ao ser questionado sobre eles), mas não valorizei a carreira.
 
Hoje, amigos que estudaram comigo estão na segunda faculdade (no mesmo ramo), terminaram pós e são militantes na causa da educação. Que top! Fiquei pra trás.
 
No entanto, é totalmente possível casar militância intelectual e fé.
 
Que mais e mais jovens continuem mergulhados no coração de Cristo enquanto aprendem as realidades deste século, por diferentes óticas. 
 
O choque entre cultura e igreja são sempre presentes. Ciência e espiritualidade. Poesia e teologia. Antropologia e bíblia. Etc.
 
No entanto, é possível submetermos a alma a uma autoridade acima de todas. Ao Cristo Jesus! Ao Senhor de todas as coisas. Ao que era antes de tudo o que é, e será depois que tudo se for. 
 
Que consigamos cravar nossa erudição na Cruz do Cordeiro e permitir que o sangue de Deus/Jesus escorra sobre ela, ungindo-a com a graça dos céus.
 
Abrir mão de algo por Jesus, é crescimento. Desistir de algo por preguiça, é desperdício. 
 
 
- Thiago Grulha
 

veja também