Tribunal Europeu intervém em favor de direitos dos cristãos

Tribunal Europeu intervém em favor de direitos dos cristãos

Atualizado: Quinta-feira, 9 Junho de 2011 as 9:01

O Governo Europeu tem dito que deve esclarecer se os direitos dos cristãos foram violados por decisões recentes dos tribunais britânicos. A solicitação foi feita pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo, em nome de quatro cristãos que foram penalizados por expressar a sua fé no local de trabalho. Eles se voltaram para o tribunal europeu, depois de perder recursos nos tribunais britânicos. O tribunal considerou que os casos são de relevância jurídica que justificam uma análise mais aprofundada. Entre os cristãos estão Nadia Eweida, uma trabalhadora britânica da Airways que foi impedida de usar uma cruz com o seu uniforme. O Centro Cristão Legal apoiará dois envolvidos, Gary McFarlane, um conselheiro de relacionamentos que foi demitido por dizer que não poderia fornecer terapia sexual a um casal gay, e Shirley Chaplin, uma enfermeira que foi proibida de trabalhar em hospitais depois que ela se recusou a remover seu colar com uma cruz. A quarta recorrente é a ex-secretária de um conselho ao norte de Londres, Lillian Ladele, que foi disciplinada por se recusar a conduzir cerimônias de parceria civil de pessoas do mesmo sexo. O tribunal decidirá sobre a realização de audiências, ainda mais após os ministros do governo terem tido a chance de reagir. A declaração do Governo vai de alguma forma esclarecer a confusão sobre os direitos que os cristãos têm sob as leis de igualdade introduzidas nos últimos anos para evitar a discriminação contra as minorias.A Fundadora e diretora do Centro Cristão Legal, Andrea Minichiello Williams, disse: "Estes casos são massivamente significativos em todas as frentes. Parece haver uma animosidade desproporcionada em relação à fé cristã e o funcionamento dos tribunais no Reino Unido levou a profunda injustiça”. "Se formos bem sucedidos, em Estrasburgo, espero que a Lei de Igualdade e diversidade seja revista para que os cristãos sejam livres para trabalhar e agir de acordo com sua consciência", afirma. Ela acrescentou: "As pessoas com visões ortodoxas sobre ética sexual são excluídas do emprego, porque não se encaixam com as igualdades e na lista de diversidade. É isso que queremos ver resolvido. Essa injustiça não pode ser autorizada a continuar." No início deste ano, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos permitiu crucifixos nas salas de aula de escola na Itália, após uma longa batalha jurídica entre o Estado e uma mãe que disse que seu direito de educar seus filhos ao longo das linhas seculares estava sendo violado.

veja também