"Twilight" : Mulher, Sexo, e Deus?

"Twilight" : Mulher, Sexo, e Deus?

Atualizado: Terça-feira, 6 Setembro de 2011 as 1:39

Não é nenhum segredo que o livro Twilight (Crepúsculo) e a série de filmes se tornou uma loucura no meio das adolescentes, mas em seu novo livro, O Evangelho de Acordo com Twilight: Mulher, Sexo, e Deus, autora Elaine A. Heath olha mais de perto para a teologia da história do vampiro e o impacto negativo que isso pode ter nas jovens mulheres e adolescentes.

Heath, uma professora associada de evangelismo na Perkins School of Theology, da Universidade Metodista do Sul, disse ao The Christian Post que a primeira razão pela qual as jovens adoram Twilight é porque é emocionante.

“Eu acho que ele realmente captura muitas das questões sociais e espirituais e ansiedades de uma geração que se autodescreve como espiritual mas não religiosa”, observou ela.

A franquia do Twilight arrecadou quase US $ 70 milhões nas bilheterias EUA no fim de semana para ambos o primeiro e o terceiro filme da saga, de acordo com o site The Internet Movie Database (IMDb). Em 2009, a segunda parte, “New Moon (Lua Nova)”, trouxe uma quantidade impressionante de aproximadamente $143 milhões.

Apesar de sua popularidade, Heath se preocupa com o que os jovens podem aprender das histórias.

“O aspecto mais alarmante dos livros”, disse ela, “é a violência do gênero sistemático e o gênero estereotipando o que é negativo... especificamente sobre mulheres e raparigas”.

Ela acredita que as caracteríticas femininas principais nas séries são que todas vítimas da violência, mas porque isso é misturado com romance e tentativas de justificação, a violência com as mulheres se torna “normalizada” para a audiência.

“Edward tem muitas características de homens que batem”, observou ela, “e seu comportamento e seu controle (perseguindo, exigindo saber onde ela estava), todas essas coisas diferentes que ele faz para intimidar e controlá-la, as coisas que homens e garotos abusivos fazem para as mulheres”.

O lado bom, há uma série de temas positivos a ser explorada nas séries também.

O tema cristão mais forte que Heath sugeriu, é a reconciliação. No final, o personagem de Bella é capaz de trazer paz entre as espécies de humanos em guerra, vampiros e lobisomes. O tema da salvação está também presente em toda a série.

A família Cullen (Os pais e irmãos de Edward), acrescentou ela, são também um modelo como é uma forte comunidade de fé – eles encorajam um ao outro para fazer o que é certo, sacrifício pelo bem comum, e usar seus dons para proteger um ao outro.

Há também temas mórmons nas novelas, apontou Heath, porque Meyer pertence à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos últimos Dias.

Portanto, há lições boas e ruins para serem aprendidas nas séries, mas a história pode ser usada para abrir um diálogo com gerações mais jovens.

“Eu acho que isso pode ser bem útil em descobrir uma relação não saudável e questões do gênero que estão em nossa cultura”, disse ela. “Da mesma forma isso pode nos ajudar a ter grandiosas conversações espirituais e críticas de problemas sociais em nossa cultura”.

A chave para discutir questões culturais, observou Heath, é ter respeito.

A partir de sua experiência, os fanáticos de Twilight irão “cair em cima” se você falar mal de seu personagem favorito; assim para pais e líderes jovens criarem um diálogo sobre as questões culturais eles precisam abordá-las cuidadosamente e com amor.

Muitas mais questões sociais e teológicas são abordadas no livro de Heath, na qual ela incluiu uma série de questões para ajudar a encorajar o diálogo sobre questões importantes que ela aborda.    

veja também