Ubirajara Crespo: a difícil tarefa de selecionar livros para publicação

Ubirajara Crespo: a difícil tarefa de selecionar livros para publicação

Atualizado: Quarta-feira, 17 Setembro de 2008 as 12

Ubirajara Crespo é pastor, mas tem sido mais reconhecido na literatura cristã como escritor. Diretor-presidente da Editora Naós, ele acumula os cargos de edição e seleção dos livros que serão publicados. Crespo também costuma ministrar palestras sobre sua área de atuação, como a intitulada: "Como publicar um livro - desde o manuscrito até a distribuição e vendas". E foi para falar deste tema que ele conversou com o Portal Guia-me .

Portal Guia-me - O senhor ministra palestras sobre como escrever e publicar um livro. Como é este processo?

Ubirajara Crespo - O processo de escrever e publicar um livro é mais difícil do que a gente imagina, se é que a pessoa está querendo levar a coisa a sério. Quando eu vou escrever um livro, tenho que estabelecer um objetivo para o livro, tenho que estabelecer um público alvo que eu pretendo alcançar. Preciso entender qual é a melhor metodologia, método de aproximação, o linguajar mais coerente que alcança aquele tipo de público. Preciso entender que eu não posso estar incluído neste público alvo, porque há muitos escritores que escrevem para si mesmo, para se promover, com intuito de ganhar dinheiro.

Portal Guia-me - Quantos livros o senhor recebe para avaliação?

Ubirajara Crespo - Eu recebo cerca de 30 livros por mês, eu publico um livro por mês.

Portal Guia-me - Ao receber um livro na editora, como é o processo de avaliação?

Ubirajara Crespo - Existem editoras que se especializaram em uma determinada área. O escritor tem que saber com qual editora está lidando. Por exemplo, a editora Naós não trabalha muito com livros teológicos, trabalha com livro de auto-ajuda. Então, o escritor que venha com o livro teológico a gente pode até publicar, mas tem que saber que ainda não temos um link criado com instituições teológicas. O escritor tem que saber se a editora alcança este público dele.

Portal Guia-me - Dá tempo de ler todos?

Ubirajara Crespo - Não, não dá. Já vou eliminando aqueles que não tem a ver com o nosso propósito, nosso objetivo. Talvez eu esteja até perdendo bons livros com isso, eu acho que estou perdendo. Mas aquele autor pode se dar melhor em uma editora que vai poder trabalhar aquela área de ação, que alcance o público dele. Publico no máximo 15 livros por ano e recebo 360 para examinar. É uma tarefa difícil e eu acabei funilando isso comigo. Eu que comecei a editora, que sei o que quero para editora. Tem a visão que Deus me deu, o objetivo que Deus me deu. Eu não tenho como passar esta tarefa para outra pessoa.

Portal Guia-me - Existe algum outro critério?

Ubirajara Crespo - O livro tem que ser vendável, embora não publiquemos um livro para prioritariamente vender. Se investimos em livros que não dá retorno, dentro de três, quatro anos a editora não resiste.

Portal Guia-me - Quais são estes livros para dar retorno?

Ubirajara Crespo - O livro tem que ser bem escrito, trazer uma palavra nova. Quando a pessoa não traz uma palavra nova, percebemos que o autor está querendo aparecer, querendo notoriedade. Porque muita gente já falou sobre aquele assunto. Mesmo que a gente não fale sobre um assunto novo, pelo menos devemos falar de uma forma nova, dar uma outra roupagem. Hoje, a preocupação com a forma é muito importante.

Outra preocupação que a editora deve ter, assim como o escritor, é que nós não estamos aqui para dizer ao povo o que ele quer ouvir. Porque eu vou te dizer com toda sinceridade, parece que no mercado, principalmente no mercado evangélico, o que vende são essas [...], eu chamaria de "cosméticos" gospel... são livros que falam uma mensagem mais positivista. A editora não pode chegar ao ponto de pregar mensagens que assustem o povo, mas também não pode deixar de falar a verdade.

Portal Guia-me - E qual deve ser o perfil do autor?

Ubirajara Crespo - Ter uma visão correta, Deus como soberano. Nós estamos aqui para servir a Deus, não para lançar mercadoria que vai se tornar best-seller. Tem um escritor que eu considero um dos melhores do mundo evangélico, mas é um cara que não vende muito. O povo quer livros do "repleplé", água com açúcar. No mundo não evangélico tem alguns livros bons que conseguem ser campeões de venda, mas boa parte deles não tem nada.

Portal Guia-me - E os livros que o senhor escreve, em que se baseia?

Ubirajara Crespo - Os meus são os melhores de todos (risos) [...]. Os meus livros têm a ver com a área de tratamento, tanto das pessoas, como da igreja de um modo geral. Você vê pelos próprios títulos, o último livro que eu lancei, que considero de extrema importância chama-se: "Sob nova direção". Eu me inspirei andando pela rua e vendo armazéns, supermercados, que não estavam bem e agora estão sob nova direção, tentando melhorar, tentando levantar. Eu acho que a igreja tem que entrar nesta, em estar sob nova direção.

Portal Guia-me - Qual é o custo que um escritor tem para publicar um livro e qual é o retorno?

Ubirajara Crespo - Geralmente as editoras dão para o escritor em torno de 10%, esta é a porcentagem da editora Naós. Uma boa parte delas vai a 8%, 5% [...]. Nós ficamos em 10% e achamos que esta é uma porcentagem boa. E se a editora gostar do livro, para publicar, o autor não tem custo nenhum. Existem também outras possibilidades, onde o autor faz parceria com a editora e cada um investe 50%. Então o lucro também é divido meio a meio. Agora, se autor fez o livro e deu para a editora distribuir, aí o papel muda, o autor que fica com a maior parte do dinheiro.

Por Claudia Moraes

veja também