Um ano após desabamento, reconstrução da Renascer está embargada pela Justiça

Um ano após desabamento, reconstrução da Renascer está embargada pela Justiça

Atualizado: Segunda-feira, 18 Janeiro de 2010 as 12

Há exatamente um ano, o teto da igreja Renascer localizada no bairro do Cambuci, região central de São Paulo, desabou durante um culto, provocou a morte de nove pessoas e deixou centenas de feridos. Hoje, a reconstrução do templo permanece interrompida por determinação da Justiça.

A reconstrução da igreja chegou a ser autorizada pela Prefeitura de São Paulo em agosto de 2009, mas quatro meses depois o Ministério Público do Estado conseguiu na Justiça a interrupção das obras alegando que a Renascer não atende algumas determinações e "traz uma série de prejuízos ambientais e urbanísticos".

Em nota, a Promotoria aponta a quantidade de pessoas recebidas nos cultos como superior ao indicado pela própria Renascer, além de não respeitar regras que determinam que a igreja "elimine ou atenue o impacto na região, sobretudo quanto ao tráfego".

Procurada pela Folha Online, a assessoria da Renascer afirmou que havia adquirido previamente autorização da prefeitura e que o projeto --ainda rascunhado-- permanece sem concretização final. "Recorrer dessa decisão será ação discutida no tempo apropriado, na Justiça, e após o recesso do Judiciário", acrescentou a assessoria da igreja, em nota.

Para Ana Cláudia Cavalcante, integrante da associação de moradores do bairro, e moradora de uma vila localizada ao lado da igreja, o embargo da obra é considerado uma decisão "positiva". "O embargo foi importante. A gente tem muito medo que aconteçam novos problemas", afirmou.

Apesar da preocupação, Ana Cláudia afirma que não teve sua casa danificada com o desmoronamento da igreja, diferentemente de cinco vizinhos, sendo que alguns deles ainda não tiveram os danos reparados. Esse é o caso de Norma Cristina Ribeiro, 53, que afirma ter reformado a casa da mãe com a ajuda dos irmãos.

"A queda da igreja provocou danos no telhado, na edícula e no encanamento da casa da minha mãe. Precisamos ficar cerca de 30 dias fora de casa e quando retornamos tivemos que fazer nós mesmos os reparos", afirmou Norma, que vive com a mãe de 81 anos, em uma casa aos fundos do templo.

Laudo

Laudo do IC (Instituto de Criminalística) e do LEM (Laboratório de Estruturas e Materiais Estruturais) da Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo) aponta que o desabamento da Renascer ocorreu devido a uma somatória de falhas da reforma da estrutura de suporte das telhas, principalmente pela falta de reforços metálicos em uma das tesouras (estruturas triangulares de sustentação das telhas) --a de número 14, especifica o relatório.

De acordo com o documento, houve deficiências na avaliação estrutural, na inspeção periódica ou de conservação e manutenção. Alguns vestígios de falhas no madeiramento da extremidade da tesoura 14 --como a ausência de reforços e sintomas de deterioração-- seriam "visíveis a especialistas da área", mas, mesmo assim, a estrutura não recebeu o reforço necessário.

Na época, o advogado da Renascer, Luiz Flávio Borges D'Urso, que também preside a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo, afirmou que o laudo isentava a igreja da responsabilidade pelo acidente.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também