Uma das maiores igrejas de Thantlang foi reduzida a cinzas pelo exército de Mianmar

O incêndio não deixou vítimas, mas abalou os cristãos birmaneses pela violência dos militares.

Fonte: Guiame, com informações de Portas AbertasAtualizado: terça-feira, 21 de junho de 2022 14:09
Igreja reduzida a cinzas. (Foto: Reprodução/Portas Abertas/Twitter Chin Human Rights Org)
Igreja reduzida a cinzas. (Foto: Reprodução/Portas Abertas/Twitter Chin Human Rights Org)

Em meio aos conflitos entre o exército birmanês e as forças nacionais de Mianmar, uma igreja foi totalmente incendiada afetando a vida dos cristãos daquela região.

A Igreja Batista de Thantlang, no estado de Chim, era a maior da cidade e do estado. Conforme a mídia local, ela foi reduzida a cinzas no dia 9 de junho e não deixou vítimas.

Porém, há consequências para aqueles que seguem a Cristo. De acordo com a Portas Abertas, enquanto alguns lamentam as perdas, outros questionam por que Deus permitiu que isso acontecesse. 

“Uma parceira local da Portas Abertas relatou que a notícia do incêndio esmoreceu a alegria dos cristãos em Thantlang”, explicou a organização ao destacar que os fiéis estão sofrendo por falta de segurança.

O que está acontecendo em Thantlang?

Desde o golpe militar, em fevereiro de 2021, mais de 1.200 casas e 11 igrejas foram incendiadas, só na cidade de Thantlang.

A igreja que foi incendiada pelo exército birmanês contava com mais de 600 famílias em sua membresia e era conhecida como a maior igreja do estado, contando com grande prestígio na comunidade. 

A maioria dos residentes da cidade de Thantlang fugiu em 2021 e agora vivem como refugiados ou deslocados internos nas áreas vizinhas. A vida que já era difícil para eles, agora ficou ainda pior. 

Situação de refugiados e deslocados

Muitos moradores de Thantlang construíram abrigos temporários usando bambu, madeira e lonas. A Portas Abertas explica que estão tentando ajudar os cristãos a sair desses abrigos improvisados antes que comecem os períodos de chuvas intensas e inundações.  

Zuala — nome fictício por razões de segurança — é uma cidadã de Thantlang que teve que fugir. Agora ela é mais uma refugiada em Mianmar. 

“Nós trabalhamos duro, contribuímos com dinheiro e batalhamos para construir a igreja com nossas próprias mãos. Quando a vimos sendo destruída e queimada nossos corações se partiram. É doloroso”, ela compartilhou. 

Kima — outro nome fictício — também é uma cristã local que fugiu de Thantlang e tem vivido como refugiada desde o golpe militar. 

“Eu lembro que os soldados visitavam alguns lugares com tanta frequência que sabíamos quais seriam os próximos passos. Quando ouvimos eles se aproximando da nossa vila, juntamos o que conseguimos carregar e fugimos para a floresta”, lembrou.

Kima e a família só voltaram para casa quando os soldados foram embora. “Eles saquearam nossas casas, levaram tudo. Depois queimaram nossas casas e a igreja. Então, tivemos que fugir definitivamente. Ali não era mais seguro para nós”, lamentou.

 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições