Uso da Cruz em memorial de guerra é declarado inconstitucional

Uso da Cruz em memorial de guerra é declarado inconstitucional

Atualizado: Quinta-feira, 6 Janeiro de 2011 as 9:16

Os Juízes da Corte de Apelações dos EUA para o 9º Circuito decidiram por 3 a 0 no caso Trunk versus cidade de San Diego que a cruz do Mt. Soledad em homenagem aos soldados caídos é inconstitucional.

O Conselheiro Sênior da Alliance Defense Fund, Joe Infranco, rotulou a decisão uma tragédia.

“É trágico que a corte tenha escolhido uma interpretação distorcida e cansada da Primeira Alteração sobre a idéia de senso comum que as famílias das tropas americanas caídas devem ser autorizadas a honrar esses heróis como eles escolherem,” expressou em uma afirmação na sequência da decisão de ontem.

A guerra do memorial da Califórnia foi armada em 1954. O memorial inclui uma cruz Latina e seis paredes concêntricas com placas de granitos negros gravadas com os nomes e fotos dos veteranos de guerra. Foi originalmente dedicado como o Memorial dos Veteranos da Guerra da Coréia, mas agora honra os veteranos Norte-americanos da Primeira e Segunda Guerra Mundial.

A cruz do memorial tem estado no coração da disputa de duas décadas. A cruz tem 29 pés de altura e está em La Jolla, Califórnia.

A União Americana pelas Liberdades Civis processou a cidade de San Diego em 1989 para remover a cruz. O requerente do grupo, veterano de guerra ateu Philip Paulson, argumentou que a cruz era um símbolo religioso e que sua exibição em terras públicas era inconstitucional. Os Veteranos de Guerra Judeus também acharam errado a presença da cruz e está também processando pela remoção.

Antes desta decisão, o Juiz Distrital dos EUA, Larry Burns Alan decidiu em 2008 que a cruz não viola a separação da Igreja e Estado.

“A corte acha que o memorial em Mt. Soledad, incluindo sua cruz latina, comunica as mensagens essencialmente não religiosas, morte, e sacrifício,” escreveu Burns em sua decisão. “Com tal, apesar de sua localização em terras públicas, o memorial é constitucional.”

No entanto, no recurso, os juízes derrubaram a decisão de Burns. Ainda assim, Infranco alega que a cruz não viola a Cláusula de Estabelecimento mantendo a separação entre Igreja e Estado. A cruz tem o direito de estar onde está, disse ele.

“Os heróis de guerra ganharam o direito de serem lembrados. A memória daqueles que sacrificaram suas vidas por nossa liberdade não deve ser desonrada por que a ACLU encontra um pequeno número de pessoas que estão ofendidas,” afirmou ele.

veja também