Vereador e pastor de Alagoas rebate 'alfinetadas' de deputado

Vereador e pastor de Alagoas rebate 'alfinetadas' de deputado

Atualizado: Quinta-feira, 25 Novembro de 2010 as 2:29

O vereador e pastor João Luiz decidiu responder às declarações do deputado estadual Alberto Sexta-feira, que após ter sua elegibilidade garantida em decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TRE), aproveitou o momento de 'comemoração' para alfinetar o vereador. As declarações de Sextafeira perpassavam pela atuação do pastor na igreja onde prega, ao declarar: ”Pastor João Luiz, que prega na Igreja Quadrangular. Quando falar de verdade, quando falar de justiça e de paz, o senhor também procure praticá-la na sua vida, no seu dia a dia. Caso contrário, esta fala vai parecer mentirosa para aqueles que frequentam a Igreja”.

Em resposta, o pastor sugeriu a Sexta que 'não confunda política com religião", acrescentando que 'o Deputado perdeu uma grande oportunidade de demonstrar maturidade política'. João Luiz negou ter veiculado sobre o assunto na mídia, reafirmando que levar à Justiça o questionamento sobre a elegibilidade do deputado não deve ser motivo para confundir questões pessoais com jurídicas.

Segue a nota na íntegra:

"Como é de conhecimento de todos, por viver em um Estado de Direito, na condição de nacional, tenho o direito de lutar por aquilo que entendo justo.

No caso Sexta-feira, limitei-me, apenas, a questionar a sua elegibilidade, pois, com o respeito aos que pensam de forma diferente, ainda entendo que o Deputado Sexta Feira é inelegível, por questões eminentemente jurídicas.

A questão da elegibilidade dos candidatos é um ponto ainda em discussão nos Tribunais Superiores, mas, ainda sim, evitei veicular este assunto na mídia para não cometer nenhuma injustiça.

Em verdade, no recurso, o TSE não analisou o mérito do processo. O tribunal rejeitou o pedido por questões exclusivamente processuais, razão pela qual, ainda, iremos avaliar, juridicamente, a possibilidade de impugnar a sua diplomação.

Quanto às suas palavras perniciosas, informo-lhe que, em respeito à Igreja a qual represento e às pessoas de bem que me conhecem, não entrarei em discussão sob assunto, ao menos, neste momento, nem tampouco neste espaço midiático, pois entendo que se trata de uma questão jurídica e não pessoal.

Apenas peço-lhe que não confunda política com religião. O Deputado perdeu uma grande oportunidade de demonstrar maturidade política.

A título de exemplo, outros candidatos também tiveram seus registros questionados na justiça, mas eles, ao contrário do Deputado, limitaram-se a se defender e não assacar sua ira desarrazoada contra seus opositores.

Por qual razão o senhor Deputado assim não procedeu em relação ao Ministério Público Eleitoral? Foi Ele quem primeiro recorreu.

Isso não é democracia, Deputado!

Assessoria do vereador João Luiz"  

veja também