Vereador evangélico quer proibir festas de música eletrônica no RJ

Vereador evangélico quer proibir festas de música eletrônica no RJ

Atualizado: Terça-feira, 28 Junho de 2011 as 9:09

O deputado Gilmaci Santos, líder da bancada do PRB (Partido Republicano Brasileiro) na Assembléia Legislativa de São Paulo, quer a impedir a realização de raves no estado.

Argumentando que as festas causam a “destruição generalizada de jovens”, o deputado apresentou o Projeto de Lei 1.346/2007 que proíbe a realização de festas com execução de música eletrônica e que tenham duração superior a dez horas.

“Cada vez que temos uma festa dessas, muitas coisas ruins acontecem. Mais pessoas ficam viciadas em drogas, rola sexo, jovens ficam grávidas. É uma questão de saúde pública”, explicou o deputado em entrevista ao jornal Metro.

Apesar de o texto do projeto especificar que a proibição é apenas para festas de música eletrônica, também estão na mira de Santos eventos como o SWU – festival que tem sua segunda edição confirmada para 2011. No site oficial de Gilmaci há um texto que descreve as raves como “festas que costumam reunir milhares de pessoas, que exageram nas bebidas e nas drogas”.

O deputado acredita que se o projeto for aprovado, os festivais também devem ser enquadrados na proibição. “Se rave tem problema, os festivais também. Eventos que apresentem qualquer risco para juventude devem que ser proibidos”, revela Santos. O Projeto de Lei apresentado por Santos prevê uma multa R$ 174,5 mil para quem descumprir a proibição.

Em outros estados brasileiros medidas como essa já entraram em pauta, mas até hoje ainda não foram aprovadas. Em Minas Gerais, o deputado Sargento Rodrigues (PDT) também luta para abolir as festas. Já no Rio de Janeiro, o vereador Theo Silva (PMDB) da bancada evangélica da Câmara Municipal do Rio, apresentou um projeto transcrito no Diário Oficial da Câmara para proibir festas com mais de doze horas de duração.  

veja também