Vida aparente - Morte iminente

Vida aparente - Morte iminente

Atualizado: Segunda-feira, 16 Novembro de 2009 as 12

"Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso o mundo não nos conhece; porque não o conhece a Ele. Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando Ele Se manifestar, seremos semelhantes a Ele; porque assim como é O veremos" (1ª João 3:1-2).

Hoje, percebemos que em nossos púlpitos exalta-se muito pessoas que, por força de vontade, conseguem viver uma vida empreendedora, de sucesso, as quais tornam-se grandes exemplos na sociedade em que vivemos. Constantemente, tecemos algum comentário sobre estas pessoas, quase sempre, comparando com alguns de nossos irmãos na fé; os quais, quase sempre, estão em desvantagem, pois são citados perjorativamente em relação aos do mundo.

No capítulo 5 de Mateus, nosso Bom Mestre Jesus, nos traz um ensinamento importantíssimo em relação aos mandamentos do Senhor; a lei foi dada para o povo de Israel, para regular o relacionamento do povo com o próprio Deus, e também o relacionamento de uns para com os outros do povo. Certa ve, um jovem de grande influência na sociedade, aproximou-se de Jesus (Mateus 19:16-30), indagando-o sobre a vida eterna. Jesus indagou-lhe sobre os mandamentos e o mesmo gabou-se de cumprir a todos, segundo a sua presunção. Porém, quando Jesus mostrou-lhe que ele não guardava nem mesmo os mandamentos principais, a alegria daquele jovem foi transformada em tristeza.

Aquele jovem ficou triste, porque ele percebeu que vivia de aparências. O mundo ao nosso redor, as vezes pode até parecer bom, porém, não passa de mera aparência! Não podemos nos enganar, de aparência não se vive!

Comprove, faça uma experiência: Todos os dias, nas horas das refeições, coma e beba de forma aparente (coloque o prato, com sua refeição diária, sobre a mesa, deliciando-o com os olhos); veja depois de alguns dias, o resultado desta experiência; com certeza, se não for dado um breque nesta prática, o resultado será uma morte iminente.

Nós não somos do mundo, portanto, não espere valorização neste mundo, apesar que possa surgir, pois somos filhos de Deus! Isto não é o maior motivo da nossa alegria, e até mesmo, da nossa existência. Pois, se assim for, poderá ser que no último dia, assim como foi com aquele jovem, toda alegria reconhecida no mundo, será transformada em tristeza, acabando com o sentido de toda uma existência.

Sendo assim, vamos parar com a prática de valorizarmos o mundo, em detrimento da igreja, pois o mundo passa, por viver de aparências. Porém, aqueles que buscam viver no centro da vontade de Deus, lutando contra as suas próprias fraquezas, mesmo que em determinados momentos não sejam tidos como melhores exemplos de vida, porém, o são de lutas; estes sim, permanecerão para sempre!

Vou encerrar esta breve meditação, com a Palavra do Nosso Mestre Jesus: "E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou terras, por amor de meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna" (Mateus 19:29).

Deixemos de viver de aparências, para vivermos a verdadeira vida, ao lado de Cristo, junto do Pai, cheios de amor do Espírito Santo, valorizando sempre a nossa verdadeira família, a Igreja do Senhor Jesus.

Em amor;

Presbítero Erasmo Miranda de Araújo

"Abençoe-nos Deus, e todos os confins da terra O temerão" (Salmo 67:7).

Contato:

[email protected]

www.portalestilo.com.br/madruga

veja também