Vidas transformadas em Madagascar

Vidas transformadas em Madagascar

Atualizado: Terça-feira, 19 Julho de 2011 as 3:28

Mampianina (foto ao lado) narra uma história de luta e perseverança. Um diagnóstico comprovou a existência de cistos no ovário, e por causa disso teria que retirá-los. Os médicos disseram que ela não poderia ter filhos, e foi aí nesse momento que começou o pior período da vida dela.

“Eu e meu marido passamos por momentos de grande tristeza. Minha família, os amigos e vizinhos olharam para nós com desprezo e, muitas vezes, ironizavam nossa situação”, recorda.

Mampianina lembra como esse período fora tão difícil: “Eu sentia uma vergonha de não ser capaz de ter filhos, e era considerada como uma mulher de nenhum valor. Isso causou graves perturbações na minha vida de casada. Eu estava no final da minha força, humilhada e rejeitada por todos e tudo. Vim para o Cenáculo do Espírito Santo, em Madagascar, convidada por uma amiga e, sob a orientação dos pastores, eu aprendi a não aceitar o que é injusto, e mostrei o ódio que me fez sofrer”.

Era época da Fogueira Santa. Ela e o marido decidiram dar um basta na situação de vergonha, frustração e humilhação. “Nossa revolta estava completa e em um momento de raiva decidi vender tudo o que tinha em casa, até nossa cama foi vendida. Era tudo ou nada, e colocamos no altar. Você pode imaginar o que aconteceu a seguir: perseguições, críticas, ameaças, mas tudo valeu à pena. Deus fez um milagre em nossas vidas, que surpreendeu a todos que haviam nos criticado”, resume Mampianina, que ficou grávida e teve uma menina. Mesmo contra todos as perspectivas dos médicos e os prognósticos, o sonho dela se cumpriu. “Tudo o que foi vendido e sacrificado, Deus me deu em dobro. Toda honra e toda glória damos ao nosso Deus, pois Ele realizou o meu sonho de ser mãe”, conclui.

Vida nova após receber o Espírito Santo Dana Herman, 37, também de Madagascar, já frequentava a Igreja havia 3 anos, mas  ainda não era batizado com o selo de Deus. Por conta disso, teve até conquistas financeiras; porém, uma coisa ainda lhe faltava: o Espírito Santo. Ele, que entrou na Igreja por razões financeiras, ouvindo a pregação, creu que era possível vencer.

"Participei de vários propósitos de fé, de várias Fogueiras Santas, e Deus sempre me abençoava por conta da minha fé". Paguei as minhas dívidas e os meus negócios começaram a prosperar. Mas, na realidade, durante todo o tempo, e já mesmo depois de ter entrado na igreja, eu era um homem adúltero e só pensava em mim. Não dava assistência em casa, à minha esposa nem aos meus filhos. Costumava sair com algumas mulheres, muitas delas casadas. Devido a isso, alguns lares foram destruídos”, ressalta.

E continua: “Eu sofria com isso, mas não conseguia mudar de rumo. Ouvia falar do Espírito Santo, mas nunca dei muita importância. Eu até me batizei nas águas por três vezes, pensando que isso iria mudar a minha conduta. Eu via uma transformação no caráter da minha esposa; ela havia sido batizada com o Espírito Santo, e via a maneira diferente com que ela encarava a nossa relação e enfrentava o problema do nosso casamento”, recorda.

Até que ele tomou uma decisão definitiva de se entregar ao Senhor Jesus, e, desde então, passou a ser uma nova criatura, pois foi com muita perseverança que recebeu o batismo com o Espírito Santo: “Aconteceu durante o louvor, senti um gozo e uma paz como nunca antes. Quando saí da Igreja, só queria falar de Jesus, cantar e dançar. Senti-me como uma criança”, finaliza feliz.    

veja também