Alunos são obrigados a adorar o Partido Comunista durante Dia das Crianças, na China

O presidente Xi Jinping emitiu uma carta na véspera do Dia das Crianças, na qual enfatizou que as crianças devem louvar as ações do Partido Comunista.

fonte: Guiame, com informações da Bitter Winter

Atualizado: Terça-feira, 16 Junho de 2020 as 12:09

'Jovens Pioneiros' em uma escola primária na região autônoma de Ningxia Hui fazem um juramento durante uma atividade do evento "O Lenço Vermelho Segue a Festa" no Dia das Crianças. (Foto: Bitter Winter)
'Jovens Pioneiros' em uma escola primária na região autônoma de Ningxia Hui fazem um juramento durante uma atividade do evento "O Lenço Vermelho Segue a Festa" no Dia das Crianças. (Foto: Bitter Winter)

No dia das crianças, comemorado na China em 1º de junho, uma estudante de oito anos da escola primária da província de Shandong, no leste, sentiu-se muito angustiada. Em vez de passar o dia tão especial brincando e se divertindo, ela foi conduzida por seus professores a participar de um ‘concurso de canto’ com o tema "Coração de lenço vermelho segue a festa". Como essa garota, várias outras crianças na China também tiveram que passar o Dia das Crianças glorificando o Partido Comunista e seus líderes.

O Departamento de Educação de uma localidade na província de Fujian, no sudeste do país, emitiu um documento em maio, exigindo que as escolas primárias e secundárias realizem atividades do Dia das Crianças para ‘instigar’ nos alunos os principais valores do comunismo. Eles tiveram que elogiar "a força e a grande liderança da China em derrotar a epidemia", enquanto "resistia a insultos de forças estrangeiras", exibindo o "poder da unidade e da tolerância" e prestando "apoio à comunidade internacional". As crianças também tiveram que elogiar as realizações do governo em combater a miséria — tudo em nome de "estabelecer um senso de honra e missão como sucessores comunistas".

O presidente Xi Jinping emitiu uma carta na véspera do Dia das Crianças, na qual enfatizou que as crianças "testemunharam os grandes feitos do povo chinês trabalhando juntos e enfrentando desafios" em meio ao surto de coronavírus. Ele também pediu que elas "se preparassem para realizar o sonho chinês de um grande rejuvenescimento nacional".

No dia seguinte, em 1º de junho, o Ministério da Educação da China emitiu um Aviso sobre o Estudo e Implementação da Mensagem do Dia das Crianças do Presidente Xi Jinping para as massas de crianças, exigindo "compreender profundamente o grande significado da mensagem de Xi Jinping" e "desencadear um boom de estudos".

O aviso instrui os departamentos educacionais, administrações escolares e professores a estudar o texto do presidente "o mais rápido possível". Enquanto os alunos do ensino fundamental e médio são obrigados a "lê-lo e estudá-lo ativamente" e fortalecer continuamente seu "amor ao socialismo".

Várias atividades tiveram que ser organizadas em todas as localidades para estudar as observações do presidente Xi Jinping e aprender como implementá-las em todos os aspectos da vida das crianças. O decreto também exige “fazer bom uso de preciosos recursos educacionais desenvolvidos em meio à luta contra a epidemia” para aumentar o espírito de patriotismo.

Doutrinação ideológica

De acordo com publicações nas mídias sociais chinesas e relatórios recebidos pela agência de proteção à liberdade religiosa ‘Bitter Winter’, a educação patriótica extrema nas escolas da China está em ascensão. Até as crianças mais novas são ensinadas a adorar o Partido Comunista Chinês, reverenciar o sistema socialista, opor-se aos pensamentos democráticos e nutrir o ódio contra os países ocidentais, particularmente os Estados Unidos.
Uma estudante chinesa disse ao Bitter Winter que seus colegas de classe criticaram o movimento pró-democracia de Hong Kong, chamando seus membros de "jovens do lixo" que "usam a violência para atrapalhar Hong Kong".

"Eles culpam os EUA por causar problemas e pedem ao governo que lide com a questão da mesma maneira que lidou com os protestos na Praça da Paz Celestial", acrescentou ela. "Os estudantes não se atrevem a criticar os líderes estaduais".

Muitos acreditam que a nova geração chinesa, nascida nos anos 2000, foi afetada pela propaganda do governo e desenvolveu tendências nacionalistas mais definidas.

Diferentemente dos nascidos nas décadas de 1960 e 1970, que sofreram mais dificuldades nas mãos da ditadura, e os nascidos nas décadas de 1980 e 1990, que foram expostos a mais abertura, a nova geração é mais influenciada pelo regime autoritário. Eles se tornaram "pequenos pinkos" (小 粉紅) - um termo usado para descrever jovens nacionalistas do continente que defendem a ditadura do Partido Comunista Chinês.

veja também