Após manifestações com louvor a Deus, Hong Kong retira proposta que ameaçava democracia

Embora o projeto tenha sido oficialmente retirado, os manifestantes ainda afirmam que a luta pela democracia continua.

fonte: Guiame, com infornações da AP News

Atualizado: Quinta-feira, 5 Setembro de 2019 as 8:55

Milhões de pessoas saíram às ruas de Hong Kong. (Foto: World News Group)
Milhões de pessoas saíram às ruas de Hong Kong. (Foto: World News Group)

Na última quarta-feira (4), o governo de Hong Kong retirou formalmente um projeto de extradição que causou protestos e manifestações reprimidas com violência em todo o país, de acordo com a AP News.

"O governo retirará formalmente o projeto de lei para dissipar totalmente as preocupações do público", disse a chefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam. "Nossa principal prioridade agora é acabar com a violência, salvaguardar o Estado de direito e restaurar a ordem e a segurança na sociedade".

O projeto, que, segundo autoridades, tornaria o território autônomo “mais segura”, permitiria a qualquer país solicitar extradição de Hong Kong, incluindo a China continental, segundo a BBC. A controvérsia ocorreu porque muitos acreditam que as pessoas "seriam expostas ao sistema judicial profundamente defeituoso da China, e isso levaria a uma maior erosão da independência judicial da cidade".

Embora o projeto tenha sido oficialmente retirado, os manifestantes ainda não estão satisfeitos.

A legisladora pró-democracia, Claudia Mo, afirmou que nem todas as demandas dos manifestantes foram atendidas.

"[Lam] dormiu profundamente nesses três meses, isso é simplesmente absurdo", disse ela. “As cicatrizes e feridas ainda estão sangrando, e ela acha que pode usar uma mangueira de jardim para apagar o fogo da colina. Isto não é aceitável".

Lam, no entanto, acredita que os protestos são uma ameaça à política de "um país e para os dois sistemas" de Hong Kong com a China continental, posicionando Hong Kong em uma "situação altamente vulnerável e perigosa".

Desde de junho, os protestos pararam o aeroporto; afetaram as escolas e o mercado de ações.

O que começou como discussões sobre extradição se transformou em uma demanda por democracia completa.

"É muito pouco, muito tarde", disse o legislador Michael Tien. “O foco agora mudou completamente. A maioria das pessoas não se lembra do que trata o projeto, mas está mais preocupada com a escalada da violência e com a suposta violência policial contra os manifestantes. ”

Joshua Wong, um jovem ativista que luta pela democracia, acredita que os protestos são apenas o começo de uma luta por justiça.

"Espero que as pessoas na China possam entender que democracia, liberdade e direitos humanos são valores universais pelos quais as pessoas de Hong Kong estão lutando", disse ele em Taipei, Taiwan, a jornalistas em um fórum. “Continuaremos a lutar por isso. Espero que haja um dia em que Hong Kong e até a China se tornem um lugar onde as pessoas possam desfrutar de democracia e liberdade. ”

Lam, cuja renúncia está entre as demandas dos manifestantes, foi eleita pelas elites de Hong Kong em apoio à China continental. A polícia usou canhões de água, gás lacrimogêneo, balas de borracha e cassetetes durante os protestos com mais de 1.000 pessoas detidas. Mas os manifestantes estão dispostos a suportar a violência, alegando que é a única maneira de chamar a atenção do governo.

“Protegidos pelo louvor”

Os protestos que levaram milhões de pessoas às ruas em toda Hong Kong durante as últimas semanas foram marcados participação ativa de muitos cristãos e também por cenas emocionantes, nas quais um antigo hino de louvor a Deus era entoado pelos manifestantes em diversas ocasiões.

“Cante Aleluia ao Senhor”, diz a canção que se tornou um símbolo das manifestações e até mesmo um tipo de “escudo” para os manifestantes.

Uma lei de Hong Kong diz que nenhum policial pode prender um cidadão local enquanto este estiver em alguma atividade religiosa, como também não pode intervir no momento.

Por isso, milhões de manifestantes entoaram durante todos esses dias a canção que diz “Cante Aleluia ao Senhor”

veja também