Assistente de parto é acusada de transfobia após dizer que "mulheres dão à luz"

Lynsey McCarthy-Calvert, de 45 anos, foi forçada a deixar seu trabalho em uma organização, após ser acusada de 'transfobia'.

fonte: Guiame, com informações do Daily Mail

Atualizado: Terça-feira, 5 Novembro de 2019 as 9:46

Lynsey McCarthy-Calvert, de 45 anos, foi forçada a deixar seu trabalho, após acusações de transfobia. (Foto: Daily Mail)
Lynsey McCarthy-Calvert, de 45 anos, foi forçada a deixar seu trabalho, após acusações de transfobia. (Foto: Daily Mail)

Depois de ser atacada por ativistas transgêneros nas redes sociais por causa de um post no Facebook, no qual ela disse que "apenas mulheres podem ter bebês", a porta-voz e assistente de parto uma instituição de caridade no Reino Unido foi forçada a renunciar o seu cargo.

Lynsey McCarthy-Calvert, 45, foi forçada a deixar seu cargo de porta-voz na 'Doula UK', uma organização de caridade sem fins lucrativos, formada por profissionais não médicos que orientam e ajudam as mulheres durante o parto, de acordo com o The Daily Mail.

"Estou com raiva e triste", disse ela ao The Daily Mail. "Fui efetivamente excluída por dizer que sou mulher e meus clientes também".

"Fiquei muito desapontada com a resposta da organização 'Doula UK'. A liderança está paralisada por não querer abalar os ativistas dos direitos dos transgêneros", continuou ela. "Eles só pensaram em si mesmos para atender suas demandas."

O jornal informou que tudo começou quando a organização de oncologia 'Cancer Research UK' retirou a palavra 'mulher' de sua campanha para o exame de papanicolau, dizendo que a triagem era "relevante para todos os indivíduos entre 25 e 64 anos com colo do útero".

Em resposta, McCarthy-Calvert postou uma imagem em sua página do Facebook de uma mulher vestida de lingerie, dando cambalhotas debaixo d'água, com o texto: "Não sou dona do colo do útero. Não sou menstruadora. Eu não sou um sentimento. Eu não sou definida usando um vestido e batom. Eu sou uma mulher: uma fêmea humana adulta".

Junto à imagem, ela escreveu na legenda: "As mulheres dão à luz todas as pessoas, compõem metade da população, mas menos de um terço dos assentos na Câmara dos Comuns são ocupados por nós".

Foi então que um usuário do Facebook a acusou de usar "linguagem absolutamente nojenta". E afirmou: "Além disso, você parece estar esquecendo que não apenas as mulheres dão à luz".

Então, cerca de 20 ativistas trans escreveram uma carta à organização Doula reclamando do post de McCarthy-Calvert no Facebook. Eles disseram que o post continha vários "comentários transfóbicos", incluindo a descrição de uma mulher como uma "mulher humana adulta".

Após uma investigação de quatro meses, o conselho de administração de Doula concluiu que o cargo contrariava as diretrizes de inclusão da organização.

Além de renunciar à sua posição, McCarthy-Calvert também deixou Doula, dizendo ao The Mail, a organização concordou com as demandas de um pequeno número de ativistas e não conseguiu defender os direitos das mulheres.

Como a CBN News relatou, essa controvérsia mais recente envolvendo transgêneros no Reino Unido ocorre depois que vários árbitros de rugby decidiram que desistiriam em vez de aguardar e assistir enquanto as atletas eram machucadas por homens biológicos, ficando assim propensos a possíveis ações judiciais.

No mês passado, foi relatado que meninas do Reino Unido em escolas primárias e secundárias estavam se recusando a compartilhar banheiros com meninos. A pressão por banheiros unissex no Reino Unido foi projetada para incluir mais crianças que se identificam como transgêneros e desejam usar o mesmo banheiro que o sexo oposto.

Além disso, um médico cristão experiente no Reino Unido foi forçado a deixar seu emprego no mês passado como avaliador de benefícios por incapacidade por se recusar a usar pronomes transgêneros enquanto trabalhava para o governo britânico. Agora ele perdeu seu processo contra o governo depois de se recusar, hipoteticamente, a se referir a "um homem barbudo de 1,80 m de altura" como "senhora".

veja também