Brasil inaugura aliança internacional com EUA pela liberdade religiosa

Até o momento, o grupo é composto por 17 países comprometidos com a defesa da liberdade de culto e fé.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post e O Globo

Atualizado: Quinta-feira, 6 Fevereiro de 2020 as 11:22

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em uma entrevista coletiva em Washington. (Foto: Mandel Ngan / AFP)
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, em uma entrevista coletiva em Washington. (Foto: Mandel Ngan / AFP)

Oficiais do governo de vários países diferentes devem se reunir em Washington DC ainda esta semana para a reunião inaugural da "Aliança Internacional de Liberdade Religiosa". O grupo recém-formado, que se organiza sob o olhar atento do Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo é atualmente composto por 17 países diferentes.

O Brasil é integrante do grupo. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, anunciou nesta terça-feira que embarcará amanhã para Washington, onde participará do lançamento oficial da Aliança pela Liberdade Religiosa.

O movimento, que tem como objetivo combater a perseguição de cristãos no mundo, é liderado por Brasil, Estados Unidos, Hungria e Polônia, todos países com governos que se identificam com a direita nacionalista.

Em entrevista a repórteres na semana passada, o Embaixador dos EUA para a Liberdade Religiosa Internacional Sam Brownback descreveu a aliança como um "clube ativista" de nações comprometidas com a expansão das liberdades religiosas em todo o mundo.

"Eu não vi esse tipo de organização ou insisti em um direito humano que eu tenha conhecimento antes", disse Brownback, de acordo com o Christian Post. "Este é o primeiro esforço para realmente obter um grupo de nações que serão ativistas. em um direito humano particular de tentar defender e perseguir essa causa de forma mais agressiva.”

O Embaixador continuou: “Vamos olhar para as coisas em que podemos trabalhar coletivamente e [como] podemos pressionar por esforços de liberdade religiosa em todo o mundo ... estamos entusiasmados com os países e seu entusiasmo."

A aliança foi inicialmente apresentada por Mike Pompeo em julho passado, antes de ser mencionada pelo presidente Trump na Assembleia Geral das Nações Unidas em setembro.

Brownback espera que pelo menos mais dez países se juntem ao grupo à medida que o tempo avança, embora ele queira garantir que os membros estejam totalmente comprometidos com a proliferação da liberdade religiosa.

"Temos um nível bastante alto para participar, honestamente", disse ele. "Queremos nações que respeitem a liberdade religiosa em seu próprio país e estejam dispostas a promover a liberdade religiosa em locais internacionais. Este é o clube ativista dos países".

 

veja também