Cerca de 100 cristãos podem estar como reféns do Estado Islâmico, nas Filipinas

O Estado Islâmico tem avançado para as Filipinas e recrutado mais terroristas na nação, após perder territórios na Síria e no Iraque.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Domingo, 25 Junho de 2017 as 7:15

Cristãos oram em culto nas Filipinas. (Foto: Compassion International Blog)
Cristãos oram em culto nas Filipinas. (Foto: Compassion International Blog)

As lutas entre as forças governamentais e os rebeldes islâmicos escondidos no coração de uma cidade ao sul das Filipinas diminuíram no domingo, quando os militares procuraram impor uma trégua temporária para marcar o feriado islâmico de 'Eid al-Fitr' - que marca o fim do Ramadã (período do jejum islâmico).

Pequenos conflitos ocorreram no início do dia em partes da cidade de Marawi, onde terroristas ligados ao Estado islâmico começaram a disparar contra tropas filipinas, criando uma ofensiva unilateral até o início da tarde.

Os muçulmanos participaram de orações em uma mesquita Marawi em uma reunião marcada pela violência, que já deslocou cerca de 246 mil pessoas e matou mais de 350 pessoas - a maioria rebeldes e cerca de 69 membros das forças de segurança.

Vinte e seis mortes de civis já foram registradas, mas as autoridades acreditam que dezenas de corpos de moradores ainda podem estar no coração de uma zona de conflito que se arrastou por semanas, com ataques aéreos e bombardeios de artilharia.

A apreensão da cidade pelo grupo Maute e suas afiliadas causou a maior crise de segurança interna das últimas décadas para as Filipinas, e a percepção de que a chegada temida do Estado islâmico já poderia ser uma realidade.

As imagens dos terroristas vestidos de preto e as bandeiras oficiais do Estado Islâmico que tremulam em Marawi causaram alarme na nação de maioria cristã e a ocupação prolongada e a presença de combatentes estrangeiros sugerem que os militantes podem ter projetos maiores no sul das Filipinas do que se imaginava anteriormente.

No sábado, os terroristas dispararam tiros em toda a cidade do lago, enquanto as aeronaves lançavam uma série de bombas, colocando os edifícios em chamas e enviando rajadas de escombros e fuma para o céu atrás de minaretes de mesquitas e edifícios carbonizados.

Um oficial militar disse no sábado que mais de 100 cristãos podem estar sendo mantidos como reféns, incluindo um padre, de acordo com informações fornecidas por oito residentes, que escaparam dos terroristas durante uma trégua aérea sexta-feira.

As condições para os que estão presos em Marawi são terríveis. Segundo testemunhas, há órgãos humanos espalhados pelas ruas, falta comida e água, além da ameaça constante de ser morto pelos terroristas ou por lançadas por aeronaves do governo.

A ameaça do Estado islâmico que está crescendo nas Filipinas se fez ainda mais notável, quando o grupo começou a perder territórios na Síria e no Iraque. Os serviços de inteligência informam que os terroristas estão buscando novas bases para continuar a instalação de seu 'califado'.

Embora o exército tenha certeza de que pode retomar o Marawi em breve, o nível dos preparativos dos terroristas, a capacidade de combate e a resiliência destes criaram alguma apreensão sobre a possibilidade deste ataque ser o início de uma campanha mais ampla.

veja também