Cristão é retirado do avião por ter mensagem de oração confundida com terrorismo

Londoner Laolu Opebiyi, de 40 anos, estava a bordo de um vôo que partia de Londres rumo a Amsterdã na última quinta-feira, 25 de fevereiro, quando foi abordado por agentes de segurança e questionado se era adepto ao islamismo.

Fonte: Guiame, com informações de Christian TodayAtualizado: quinta-feira, 3 de março de 2016 19:16
A suposta denúncia veio de um passageiro, que se confundiu ao ver uma mensagem sobre oração em seu celular. (Foto: Alamy)
A suposta denúncia veio de um passageiro, que se confundiu ao ver uma mensagem sobre oração em seu celular. (Foto: Alamy)

Um cristão foi removido de um voo da companhia EasyJet por ser confundido com um terrorista. A suposta denúncia veio de um passageiro, que se confundiu ao ver uma mensagem sobre oração em seu celular.

Londoner Laolu Opebiyi, de 40 anos, estava a bordo de um vôo que partia de Londres rumo a Amsterdã na última quinta-feira, 25 de fevereiro, quando foi abordado por agentes de segurança e questionado se era adepto ao islamismo.

Seu acusador, que interpretou de forma errada sua mensagem, perguntou: "O que você quer dizer com oração?". O passageiro deixou o avião com mais outros seis.

Opebiyi foi convidado a deixar o avião por dois oficiais armados, que questionaram sobre sua fé e a qual igreja pertencia. "Mesmo se eu fosse muçulmano, foi muito injusta a forma como fui tratado. Eu acho que nenhuma pessoa, independentemente da sua religião, deve ser tratada de tal forma”.

Opebiyi acredita que o passageiro possa ter confundido o grupo do WhatsApp chamado “ISI”, que significa a abreviação em inglês de “ferro afia ferro”, com a sigla em inglês do Estado Islâmico, que é “ISIS”.

O cristão teve que aguardar o próximo vôo depois que os passageiros se recusaram a voar com ele. Agora, Opebiyi teme ter seu nome em uma lista de vigilância de terroristas.

"Acharam que eu fosse um terrorista porque viram a palavra ‘oração’ no meu celular, e agora estou na incerteza da minha liberdade de movimento dentro e fora do Reino Unido", disse ele.

Em nota, EasyJet comentou o caso: "A segurança dos passageiros e tripulantes é a nossa maior prioridade. Isso significa que, se alguma preocupação de segurança é levantada, sempre iremos investigá-la como medida de precaução. Gostaríamos de pedir desculpas por qualquer inconveniente causado ao passageiro".

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições