‘Deus tornou possível’, diz mãe de gêmeas siamesas após cirurgia de separação bem-sucedida

A equipe foi composta por 30 cirurgiões, enfermeiras, anestesiologistas e outras equipes importantes.

fonte: Guiame, com informações do GOD TV

Atualizado: Sexta-feira, 6 Novembro de 2020 as 2:53

Liliya segurando suas filhas gêmeas unidas com a equipe da UC Davis. (Foto: Reprodução / GODTV)
Liliya segurando suas filhas gêmeas unidas com a equipe da UC Davis. (Foto: Reprodução / GODTV)

Liliya Miroshnik confiou plenamente em Deus e na equipe médica durante a operação que suas filhas gêmeas siamesas passaram, de acordo com reportagem do GODTV. “Quase parecia impossível separá-los”, disse ela. “Mas Deus e os médicos e enfermeiras da UC Davis tornaram isso possível.”

Liliya descobriu que Abigail e Micaela eram gêmeas craniopagus nas primeiras 11 semanas de gravidez. Ela descobriu que as cabeças de suas filhas estavam fundidas.

Mãe de três meninos, Liliya não conseguia acreditar no que ouvia dos médicos. Mas seu marido, Anatoliy, a confortou. “Foi muito difícil. Eu simplesmente fiquei chocada. Não consegui processar”, lembrou ela.

“Quando cheguei em casa, meu marido disse que tudo iria ficar bem. Nós íamos superar [o problema]. Estas são nossas filhas. Já as amamos”, lembra.

O médico de Liliya a encaminhou para o Centro de Tratamento e Cuidado Fetal da UC Davis. Eles deram a ela cuidados pré-natais e a educaram sobre as condições de sua filha. Isso a ajudou a se preparar para a chegada de suas meninas.

Segundo o hospital, a equipe médica designada a Liliya se preparou para todos os cenários possíveis que pudessem surgir durante o nascimento das irmãs. E no dia 30 de dezembro, Liliya e Anatoliy deram as boas-vindas à chegada de suas duas filhas. As gêmeas tiveram que passar 7 semanas na UTIN antes de terem alta para ir para casa.

Cirurgia de separação

Após 9 meses, os médicos viram a necessidade de operar as irmãs. O Dr. Granger Wong, o cirurgião plástico líder, disse: “À medida que envelhecem, há mais riscos de vasos sanguíneos compartilhados. E os órgãos [estão] se tornando maiores ou mais entrelaçados. A próxima temporada de gripe, Covid-19 e RSV também são uma preocupação.”

A equipe, composta por 30 cirurgiões, enfermeiras, anestesiologistas e outras equipes importantes, preparou-se para a extensa operação. Eles integraram diferentes tecnologias para garantir a segurança da saúde dos bebês.

Operação bem-sucedida

Finalmente, às 3h28, Abigail e Micaela foram oficialmente separadas. “Era como um balé coreografado”, disse Wong. A equipe médica se referiu à operação como uma “cirurgia de referência” para o hospital.

Abigail após a operação. (Foto: Reprodução / Instagram)

A líder de enfermagem do Centro de Cirurgia Infantil, Aida Benitez, disse que após 10 meses de preparação, eles testemunharam o que todos haviam imaginado para as meninas e todos ficaram emocionados e felizes.

Micaela depois da operação. (Foto: Reprodução / Instagram)

Hoje, as gêmeas com sua família estão dando um passo de recuperação de cada vez. No entanto, eles acreditam que tudo vai dar certo com Deus ao seu lado. “Está tudo nas mãos de Deus”, disse Liliya. “Não está nem nas mãos dos médicos. Isso é o que eu acredito.”

 

 

veja também