Devemos falar a verdade sobre a homossexualidade, mas com compaixão, diz pastor

Michael Brown critica cristãos que se posicionam de maneira sutil para não causar ofensas, mas diz que o tema deve ser tratado em amor.

fonte: Guiame, com informações de The Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 19 Julho de 2017 as 11:06

Pastor Michael Brown diz que a homossexualidade deve ser confrontada com compaixão. (Foto: YouTube/Israel Islam and End Times)
Pastor Michael Brown diz que a homossexualidade deve ser confrontada com compaixão. (Foto: YouTube/Israel Islam and End Times)

A homossexualidade deve ser tratada com a clareza das verdades bíblicas, mas isso deve ser feito com amor e compaixão, segundo o pastor e autor norte-americano Michael Brown.

Brown observa que a sociedade está em um momento crítico na história, onde a ideologia LGBT tem sido imposta nas escolas, empresas e outras instituições. Enquanto isso, a igreja tem se posicionado de maneira sutil para não causar ofensas.

“Do que nós estamos com medo? De perder alguns membros que pagam dízimo? Que tipo de compromisso é esse? Será que somos mercenários ou somos homens e mulheres de Deus?”, o pastor questionou, em artigo no site The Christian Post.

“Que tal falar a verdade em amor — com lágrimas, compaixão e cuidado? A verdadeira compaixão não é silenciosa. A verdadeira compaixão adverte”, Brown acrescentou. “Sabemos que o preço a pagar pelo silêncio é muito maior do que o preço a pagar pela obediência”.

Eu estava falando em uma conferência no ano passado quando o organizador da conferência afirmou que um pastor americano famoso agora suportados do mesmo sexo "casamento". Porque eu tinha informações de contato deste pastor, eu mandei uma mensagem para ele, perguntando-lhe como ele iria reagir. Ele respondeu: "Eu não apoio isso. Por favor, pedir-lhe para corrigi-lo."

O pastor observa que muitos líderes são “altos e claros” quando falam sobre essas questões em particular, mas são “mornos” quando falam sobre elas em público.

“Compreendo perfeitamente que a maioria de nós têm entes queridos que se identificam como LGBTs e nos preocupamos profundamente com eles. Quando as pessoas me perguntam como alcançar a comunidade LGBT, a primeira coisa que digo é: pedindo a Deus um batismo sobrenatural de amor por eles”, afirma Brown. “Mas o amor não é transigente. Se fosse, não seria mais amor”.

O pastor alerta que se os líderes não orientarem os homossexuais de sua igreja, eles estarão com “sangue em suas mãos”. “Vamos parar de brincar ao redor do maior desafio espiritual e moral desta geração, e vamos fazer a coisa certa, independentemente do custo ou consequência”.

veja também