Drag queen simula aborto em apresentação pública e gera críticas

Performance foi feita por Blair Back em um bar, onde tira uma ‘boneca ensanguentada da barriga’ para defender o aborto.

fonte: Guiame, com informações do Live Action News

Atualizado: Quarta-feira, 6 Novembro de 2019 as 10:33

Drag queen simula aborto durante apresentação pública. (Foto: Reprodução/Instagram)
Drag queen simula aborto durante apresentação pública. (Foto: Reprodução/Instagram)

Um vídeo compartilhado no Facebook está chocando os usuários da mídia social, que questionam o motivo de as fortes imagens que simulam um aborto não terem sido retiradas pelo teor impactante.

O vídeo, postado por Azeret Nichols, mostra uma drag queen se apresentando no que parece ser um bar, cantando junto com o "Canibal" de Kesha, enquanto ostentava uma falsa barriga de grávida. Depois de um momento, a drag queen pega uma faca e começa a cortar a barriga, e depois enfia a mão no interior para mergulhar as mãos em sangue falso, que ele coloca em um copo e bebe.

A drag queen tira um bebê falso da barriga, continuando a lamber e a beber o sangue falso. O vídeo termina depois que ela rasga o bebê falso e dança com ele.

“As pessoas ficaram compreensivelmente indignadas - não apenas por causa do conteúdo do vídeo, mas porque o Facebook se recusou a cobrir ou censurar o vídeo de qualquer forma, como costuma ser feito com o conteúdo pró-vida”, disse a organização pró-vida Live Action.

A drag queen Blair Back também postou fotos fortes no Instagram e no Facebook, com a seguinte legenda: “Eu tinha uma garota. O nome dela é Anita Bortion.”

Ele também postou uma foto sua antes da “performance” colocando a barriga de grávida, na qual escreveu: “Eu tenho contrações a manhã toda!!! Mal posso esperar para tirar esse bebê de mim”. Ele também zombou das respostas de pessoas que foram ofendidas pelo vídeo.

As postagens atraíram outros vídeos perturbadores de partidários do aborto. Um, por exemplo, mostra um grupo de estudantes universitários jogando "Guerras do aborto", nas quais enfiavam balões debaixo das camisas e tentavam esfaquear um ao outro, rindo e gritando: "Mate aquele bebê!"

Um desenho animado da Netflix, "Bojack Horseman”, também apresentava uma história de aborto, na qual um personagem canta: “Pegue o feto, mate o feto”.

As capturas de tela enviadas ao Live Action News mostraram que, após a denúncia do vídeo sobre o aborto da "drag queen", o Facebook analisou e disse que não violava os padrões da comunidade.

Enquanto isso, posts que deveriam ter sido completamente incontroversos - mostrando nada além dos fatos biológicos do desenvolvimento humano - foram abordados, como mostraram mais capturas de tela fornecidas ao Live Action News.

Segundo a Live Action, o Facebook também censurou com frequência os seus materiais, desfocando as fotos de um bebê no útero, por exemplo, ou removeu outros gráficos, rotulando-os como “discurso de ódio”.

Para a Live Action, “o horrível vídeo da drag queen que não é contestado pelo Facebook é outro sinal do viés pró-aborto do site”.

A organização questiona que “embora as informações e o conteúdo pró-vida sejam frequentemente removidas ou censuradas, o conteúdo ofensivo que zomba do aborto e pode ser doloroso para quem sofreu uma perda de gravidez pode permanecer.”

veja também