Escolas enfrentam acusações por permitir oração e batismo de estudantes, nos EUA

Elas foram acusadas pela Fundação Liberdade contra a Religião após treinador orar e batizar dois alunos.

fonte: Guiame, com informações do Church Leaders

Atualizado: Quarta-feira, 18 Setembro de 2019 as 10:30

Estudantes fazem oração e aluno é batizado, no destaque. (Foto: Reprodução/Twitter)
Estudantes fazem oração e aluno é batizado, no destaque. (Foto: Reprodução/Twitter)

A Fundação Liberdade contra a Religião (FFRF) acusou a Springfield High School e a Robertson County Schools de violar a Constituição e enviou ao distrito uma lista de medidas a serem tomadas para garantir que esse tipo de atividade não se repita.

"Não é apropriado para um distrito escolar público orar com alunos, batizar estudantes ou empregar um líder religioso externo para organizar essas atividades", disse Chris Line, advogado da FFRF.

"Isso é especialmente problemático no contexto do atletismo, dada a pressão coercitiva que os jogadores sentem em se adequar às expectativas dos treinadores para não decepcionar os treinadores ou prejudicar sua posição na equipe", afirmou.

Os batismos se tornaram de conhecimento público por causa de algumas postagens nas mídias sociais feitas pelas pessoas que acompanharam os eventos.

“Ótimo dia para dois rapazes serem batizados na frente de nossa equipe e de nosso campo. Melhor do que ganhar qualquer jogo ou troféu”, disse Jeff Buttram, diretor de força e condicionamento da Springfield High School.

O técnico de futebol Chad A. Diehl também escreveu um tuíte em sua conta pessoal sobre “a bênção que foi batizar os dois jovens na frente de seus irmãos de futebol".

Mas agora as Escolas do Condado de Robertson estão enfrentando uma queixa formal da FFRF.

O Tennessean relata que em uma carta datada de 5 de setembro, a FFRF acusou o distrito de "promover e endossar a religião aos estudantes" e, assim, infringir a lei.

Em um comunicado de imprensa de 10 de setembro, a FFRF diz que foi alertada sobre o incidente por uma “moradora da área”, e a copresidente da FFRF Annie Laurie Gaylor declarou: “O envolvimento de um treinador de uma escola pública em batismos é tão exagerado como ridículo. Você teria dificuldade em citar uma demonstração de religiosidade sectária mais flagrante do que isso.”

A FFRF quer que o distrito retire Diehl da posição de treinador de caráter e de qualquer contato patrocinado pela escola com os alunos. A organização também deseja que o distrito verifique se nenhum outro “evento religioso ilegal” ocorrerá “durante as atividades patrocinadas pela escola”.

Em um comunicado, o distrito disse que o batismo dos estudantes não violou nenhuma lei: “Especificamente, as atividades [...] foram iniciadas, lideradas por estudantes e ocorreram após o término da sessão de prática e após o horário escolar. Toda a participação foi voluntária, sem necessidade de participação, declarada ou implícita.”

A instituição ainda afirmou que, além disso, o distrito não promoveu os batismos, nem emprega Diehl, que os realizou. Diehl é um ministro estudantil na Igreja Batista de Bethlehem e voluntário na Springfield High.

Embora exista muita indignação com os batismos de pessoas que estão acompanhando a história na página do Facebook da FFRF, houve muito menos reações dos moradores de Springfield.

News Channel 5 Nashville relata que o ensino médio recebeu apenas algumas queixas diretas e que só as recebeu depois que a FFRF se envolveu. A pessoa responsável por envolver a FFRF parece ter contatado a organização diretamente, e não está claro se ele ou ela contatou o capítulo East Tennessee em Knoxville, Tennessee, ou a sede nacional da FFRF em Madison, Wisconsin.

O diretor de escolas do condado de Robertson, Chris Causey, disse ao Tennessean que o distrito não recebeu nenhuma reclamação direta sobre o incidente.

“Não recebemos um único telefonema de alguém nos perguntando sobre esses batismos. Zero. Se preocupamos os pais ou membros da comunidade, acho que eles precisariam entrar em contato com o escritório do distrito sobre isso, em vez de recorrer a organizações que ainda não estão baseadas no Tennessee”, declarou.

Chris Line diz que a FFRF está preparada para tomar medidas legais contra o distrito escolar se não houver resposta ou resolução às demandas da FFRF.

veja também