Estado Islâmico ameaça Papa Francisco e alerta: "Estaremos em Roma"

Em um novo vídeo, terroristas ligado ao grupo islâmico mostram fotos do Papa Francisco e destroem templos de igrejas, nas Filipinas.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Segunda-feira, 28 Agosto de 2017 as 10:19

Terrorista filipino ligado ao Estado Islâmico exibe fotos do Papa Francisco em vídeo cheio de ameças ao pontífice e a Roma. (Imagem: Captura de tela - Youtube)
Terrorista filipino ligado ao Estado Islâmico exibe fotos do Papa Francisco em vídeo cheio de ameças ao pontífice e a Roma. (Imagem: Captura de tela - Youtube)

O último vídeo de propaganda do Estado Islâmico contém uma ameaça ao papa Francisco, enquanto também mostra os terroristas carimbando um busto de Jesus, desfigurando fotos do pontífice e prometendo invadir Roma.

O vídeo editado tem imagens que foram filmadas em grande parte nas Filipinas, onde os jihadistas estão travando uma guerra contra as forças do governo pelo controle da cidade de Marawi. O material também mostra terroristas saqueando uma igreja, destruindo seu interior e incendiando o templo.

Um narrador de língua inglesa ameaça diretamente o Papa Francisco, dizendo: "Lembre-se disso, você é um kuffar [termo ofensivo para os não-muçulmanos] - estaremos em Roma, estaremos em Roma, inshallah".

Concentrando-se na luta entre o cristianismo e o islã, o narrador prossegue: "Depois de todos os seus esforços, seria a religião da cruz que seria quebrada".

Ele acrescenta: "A inimizade dos cruzados [termo que extremistas usam para se referir aos cristãos e ocidentais] em relação aos muçulmanos só serviu para encorajar uma geração de jovens".

O desejo entre os extremistas islâmicos de conquistar Roma remonta às origens da religião, onde lutadores tentaram conquistar o Império Bizantino, atingindo os limites da capital italiana, mas nunca a capturaram completamente.

À medida que o território e o poder do Estado Islâmico são corroídos no Oriente Médio, seu ramo filipino está envolvido em uma batalha feroz, depois que eles capturaram a cidade de Marawi, nas Filipinas.

Os cristãos estão sendo usados ​​como escudos humanos, enquanto as forças do governo tentam recuperar a cidade e aqueles que permanecem estão sendo usados ​​como escravos sexuais ou mortos.

A guerra está agora entrando em seu quarto mês e a extensão da apreensão está causando preocupação sobre a força dos jihadistas no sul do país, que é de maioria católica.

Apesar de uma campanha de bombardeio, sustentada pelas forças armadas do presidente Duterte, os islâmicos dominam a cidade e a maioria dos 200 mil habitantes fugiu.

veja também