Ex-lésbica conta como superou atração por mulheres: “Obedeci antes de entender”

Rachel se rendeu a Cristo após ler um livro de C.S. Lewis e viveu um intenso processo de transformação.

fonte: Guiame, com informações de God Reports

Atualizado: Segunda-feira, 2 Outubro de 2017 as 9:43

Depois de deixar a homossexualidade, Rachel Gilson se casou com um homem. (Foto: Ken Richardson)
Depois de deixar a homossexualidade, Rachel Gilson se casou com um homem. (Foto: Ken Richardson)

Criada por sua mãe e sem saber quem era seu pai, Rachel Gilson cresceu sem ser ensinada sobre os princípios morais. “Quando se tratava de sexo, nada era escondido. Com 10 anos, ajudei minha mãe a tirar fotos para uma revista erótica, para uma despedida de solteira”, lembra.

Aos 14 anos, Rachel teve seu primeiro namorado, mas apenas um ano depois, ela se sentiu atraída por outra garota. Embora ela tivesse se questionado se era certo ter esse sentimento, ela não tinha nenhuma base cristã que indicasse a homossexualidade como uma distorção.

As duas se beijaram pela primeira vez no aniversário de 16 anos de Rachel e iniciaram um relacionamento. No entanto, quando ela entrou para a Universidade Yale, em Connecticut, nos Estados Unidos, descobriu que sua namorada a estava traindo com um homem.

“Quando chegaram as férias de Natal, eu fiz uma visita a ela, mas tudo estava diferente. Na manhã de Natal, eu estava lendo Dom Quixote no sofá enquanto ela fazia sexo com o namorado na outra sala, e me perguntava no que minha vida tinha se tornado”, lembra Rachel.

Quando voltou para a universidade, Rachel começou a se perguntar sobre a existência de Deus em suas aulas de filosofia. Em seu quarto, ela começou a pesquisar sobre termos religiosos na internet e encontrou informações sobre Jesus que confundiram seus estereótipos. “Eu vi como Jesus notava e servia pessoas que eu teria deixado de lado”, lembra.

Literatura de impacto

Certo dia, Rachel estava no quarto de um amigo e ficou intrigada quando notou o livro “Cristianismo Puro e Simples”, de C.S. Lewis. Ela levou o livro para casa e começou a se sentir tocada pela mensagem do autor, sentindo-se arrependida da vida que estava levando.

“Eu mentia e enganava, eu era cruel. Eu tinha até mesmo roubado esse livro de um amigo gentil e ingênuo. Como eu enfrentaria um Deus puro e santo?”, ela se questionava. “Mas quando eu via o que Jesus tinha feito — como ele sofreu separação de Deus para que eu pudesse me unir a Ele — eu sabia que seria uma idiota de rejeitar sua oferta. Enquanto meu coração transbordava de gratidão, fechei meus olhos e orei, me entregando a Jesus”.

No sábado seguinte, Rachel chegou disfarçadamente em um encontro dos estudantes cristãos, envergonhada com sua nova fé. Ela contou para um dos participantes que havia se tornado cristã dois dias antes e foi convidada para participar de um estudo bíblico.

Lidando com os desejos

Ao longo do semestre, ela começou a se perguntar como iria lidar com sua atração por mulheres. “Eu sabia que a Bíblia era clara: o meu desejo estava fora dos limites. Mas não entendia o porquê. Como o amor e a intimidade podem ser proibidos por esse Deus amoroso e íntimo? Assim, tive que aprender minha primeira lição da vida cristã: devo obedecer antes de entender”, conta.

Enquanto isso, Rachel se perguntava quando Deus iria tirar sua atração pelas mulheres. “Aos poucos, eu entendi que ‘me tornar infalível’ não era a resposta. Não há um comando bíblico para ser heterossexual. Através do estudo bíblico, das conversas e da oração, acabei chegando a uma verdade crucial: o sexo não foi algo que Deus descobriu e depois incluiu restrições, mas foi algo que Ele criou para nos abençoar. Quando Seus ensinamentos foram contra meus instintos, negar meus desejos se tornou uma forma profunda de dizer: ‘eu confio em Você’”.

No início de sua fé, Rachel tropeçou e teve um encontro íntimo com sua antiga namorada. Enquanto se sentia arrependida de seus erros, Deus trouxe um homem para sua vida. “Nós éramos amigos, mas eu não me sentia atraída por ele. Ele sabia tudo sobre o meu passado”, disse ela.

“Aos poucos, Jesus foi abrindo os meus olhos para um amor que eu não tinha visto, embasado pelo compromisso e alegria espiritual, em vez de uma paixão. Mais uma vez, eu obedeci antes de entender. Eu me casei antes de realmente me apaixonar por ele, porque primeiro amava Jesus”, confessa Rachel.

“Ainda assim, meu casamento foi um lugar de alegria e cura. Quando as pessoas me perguntam minha orientação, minha resposta mais honesta é ‘casada’ - com as mesmas bênçãos de outros cristãos casados e com a mesma fonte de esperança e poder, o Espírito Santo”.

veja também