Ex-prostituta se rende a Cristo e prega para mulheres: “A graça de Deus é suficiente”

Amy J. Miranda foi restaurada de seu passado na prostituição e passou a incentivar outras pessoas através de seu testemunho.

fonte: Guiame, com informações da AG News

Atualizado: Sexta-feira, 20 Dezembro de 2019 as 5:38

Amy J. Miranda foi restaurada de seu passado na prostituição. (Foto: Reprodução/Facebook)
Amy J. Miranda foi restaurada de seu passado na prostituição. (Foto: Reprodução/Facebook)

Quando jovem, na cidade pequena de Indiana (EUA), Amy J. Miranda sonhava em ser pregadora, mas seu padrasto dizia que mulheres não podiam pregar. Como resultado, Amy, que nunca conheceu seu pai biológico, começou a questionar sua identidade e papel na igreja.

Na adolescência, Amy rejeitou a Cristo e passou a ter um vazio em sua vida. Depois de terminar o colegial, Amy desistiu de uma bolsa de estudos para viajar pelos EUA, experimentando festas, drogas e uma sucessão de homens para preencher o vazio que sentia. 

O consumo de drogas exigia dinheiro. Para sustentar o vício, Amy passou a usar suas habilidades de música e dança em despedidas de solteiro. Uma mulher mais velha a estimulou e ensinou o comércio da prostituição. Nos cinco anos seguintes, Amy vendeu seu corpo em troca de dinheiro.

“Eu justifiquei minhas ações sentindo que, independentemente do que eu não tinha mais, eu ainda tinha dinheiro”, diz Amy, agora com 50 anos, à AG News.

Durante esse período, sua avó, June Duncan, mudou-se para a Califórnia e começou a frequentar a igreja Century Assembly na cidade de Lodi. Lá, Duncan pediu ao ministério das mulheres para orar por sua neta. 

De volta para  Deus 

Aos 23 anos, Amy estava grávida e decidiu se mudar para a Califórnia para ficar com sua avó. Duncan a convidou para ir à igreja. 

Atraída pelo amor à música, Amy perguntou à esposa do pastor, Edwina, se ela poderia participar do coral, apesar de seu recente estilo de vida. Edwina deu uma túnica para Amy e a recebeu no coral. 

Em seu primeiro domingo cantando no coral, Miranda diz que teve um encontro com Deus através da música. Ela sentiu Deus lhe dizendo: “Amy, Eu morri pelos quebrados. Você pode ser restaurada”. Depois daquele domingo, ela nunca mais olhou para trás.

Amy se casou com David Miranda, que fazia parte da equipe ministerial da Century Assembly. Sua reabilitação profissional começou quando ela serviu como professora de uma escola cristã local. Nos 14 anos seguintes, ela trabalhou como professora primária e, por fim, como diretora da escola. 

Até que o pastor Harold Duncan, marido de Edwina, convidou Amy para se tornar pastora associada na Century Assembly. Depois de se formar em Teologia na Global University, Amy recebeu sua licença como ministra da Assembleia de Deus. Ela passou a compartilhar sua história publicamente, crendo que muitos seriam incentivados por sua transformação.

Novo caminho

Em 2017, um policial de Lodi ouviu Amy compartilhando seu testemunho. Isso levou a um convite para trabalhar com o Departamento de Polícia da cidade e, em fevereiro de 2018, Amy se tornou capelão policial.

Com o incentivo de seu marido e de sua igreja, Amy renunciou à sua posição na Century Assembly em janeiro de 2019 para se dedicar em tempo integral ao ministério Amy Miranda. Deus abriu portas para ela ministrar a meninas adolescentes, grupos de mulheres e em cultos de domingo. Ela também escreveu o livro Prostitute to Pastor: From the Spotlight to God’s Light (De prostituta a pastora: dos holofotes à luz de Deus, em tradução livre).

“A graça de Deus é suficiente para mim... e para você. Faça uma pausa e diga sim ao Senhor e às Suas oportunidades”, incentiva Amy.

Amy agora vive em Galt, na Califórnia, e frequenta a Real Life Church com David, seu marido há 27 anos, e seus dois filhos, Katrina e Gabriel. 


Amy Miranda (centro) com o marido, David, e seus dois filhos, Katrina e Gabriel. (Foto: Reprodução/Facebook)

Na Real Life Church, o pastor James J. Seiler incentivou os esforços de Amy no ministério.

“Amy tem o coração de evangelista e faz um trabalho fenomenal de comunicar a história do Evangelho a homens e mulheres que têm um passado doloroso”, diz Seiler. “Ela tem um dos testemunhos mais impactantes do poder de Deus para transformar uma vida que eu já ouvi. Ela traz a esperança para os outros de que a culpa não precisa definir suas vidas”.

veja também