Governo da China é acusado de realizar extração de órgãos em pessoas vivas

Suposto programa seria realizado por autoridades do regime comunista para ser utilizado em transplantes no país.

fonte: Guiame, com informações do Life Site News

Atualizado: Quarta-feira, 5 Junho de 2019 as 1:01

Steven Mosher, fundador e presidente do Population Research Institute, acusa China de extrair õrgãos de pessoas vivas. (Foto: Reprodução/LifeSite)
Steven Mosher, fundador e presidente do Population Research Institute, acusa China de extrair õrgãos de pessoas vivas. (Foto: Reprodução/LifeSite)

O regime comunista chinês está colhendo órgãos de prisioneiros enquanto eles ainda estão vivos para abastecer sua lucrativa indústria de transplante de órgãos, disse um importante especialista da China à LifeSiteNews.

Steven Mosher, fundador e presidente do Population Research Institute, sentou-se para uma entrevista em Roma nesta semana com o editor-chefe da LifeSiteNews, John-Henry Westen.

“A vítima ainda está viva e respirando”, disse o especialista ao expor o “horrível” programa de extração de órgãos executado pela China.

Westen conversou com Mosher nos dias 20 e 21 de maio na conferência sobre “Morte Cerebral: Uma Construção Medicólico: Evidência Científica e Filosófica”.

Mosher disse que a China - líder mundial em transplantes de órgãos - passou para uma versão “mais avançada” de suas décadas de prática de execução de prisioneiros para seus órgãos, e agora está “paralisando sua vítima” para extrair seus órgãos enquanto eles ainda estão vivos.

Mosher explicou que, mais recentemente, a China mudou para uma “versão mais avançada” simplesmente paralisando sua vítima. “A vítima ainda está viva e respirando, mas não consegue se mover porque os músculos estão paralisados, e eles extraem os órgãos enquanto o indivíduo ainda está vivo - o coração, o fígado, os rins, qualquer coisa que você possa imaginar que tenha valor monetário é removido.”

Baixa espera

Ele disse que “há uma enorme quantidade de dinheiro [envolvido] em transplantes de órgãos e a China faz mais transplantes de órgãos do que o resto do mundo juntos”.

Mosher observou que sempre houve “algo peculiar” sobre a indústria de transplante de órgãos na China. No Ocidente, ele disse, “você pode esperar seis meses ou um ano ou para sempre por um fósforo de tecido para um rim ou um coração”.

Mas na China, “você é digitado assim que chega” e “geralmente dentro de semanas e, às vezes, 24 ou 48 horas depois, você tem no coração, o rim ou o fígado pelo qual você estava esperando.”

“A única maneira para isso acontecer é ter um milhão de pessoas no corredor da morte na China que já foram [inscritas no programa]”, disse Mosher.

“Eles colocam o tecido do comprador em potencial do órgão no computador e, quando surge uma correspondência, essa pessoa é executada e seus órgãos são removidos e imediatamente transplantados no comprador”, afirma.

Negação e acobertamento

Mosher disse que o governo chinês “fez grandes esforços” para negar que isso esteja acontecendo.

Em 2010, disse ele, o regime criou um programa para sugerir que “as doações voluntárias de órgãos estão aumentando dramaticamente” e são legalmente adquiridas “de pessoas que dão seu consentimento”.

Mas Mosher, que primeiro expôs a política do filho único da China, apontou que há dúvidas sobre o que o “consentimento informado” realmente significa na China.

Ele disse que, de acordo com a política do filho único, a China forçou as mulheres a abortarem seus filhos “aos sete meses de gravidez”, enquanto alegavam ter seu “consentimento informado”.

 

veja também