Governo Obama tarda em reconhecer genocídio sofrido por cristãos no Oriente Médio

O atraso ocorreu dois dias depois que a Câmara dos Deputados votou por 393-0 (unanimidade) que "as atrocidades perpetradas pelos Estado Islâmico contra os cristãos, Yazidis e outras minorias religiosas no Oriente Médio constituem genocídio.

Fonte: Guiame, com informações do Christian TodayAtualizado: quinta-feira, 17 de março de 2016 13:35
John Kerry (à esquerda) é o Secretário de Estado nomeado pelo presidente Barack Obama (à direita). Ambos têm sido pressionados para se posicionar sobre o genocídio que os cristãos estão sofrendo no Oriente Médio. (Foto: Casa Branca)
John Kerry (à esquerda) é o Secretário de Estado nomeado pelo presidente Barack Obama (à direita). Ambos têm sido pressionados para se posicionar sobre o genocídio que os cristãos estão sofrendo no Oriente Médio. (Foto: Casa Branca)

O Departamento de Estado dos EUA adiou a decisão de chamar o sofrimento dos cristãos e outras minorias religiosas no genocídio Oriente Médio.

O Secretário de Estado dos EUA, John Kerry não vai ter uma decisão sobre a definição das atrocidades cometidas pelo Estado Islâmico como genocídio no prazo estipulado pelo Congresso, que vence nesta quinta-feira, 17 de março.

O Departamento de Estado não chegou a citar um novo prazo, mas disse na última quarta-feira, que "deve ter uma decisão em breve".

"Nós estamos informando o Congresso hoje que nós não vamos fazer esse prazo", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, em entrevista coletiva.

O atraso ocorreu dois dias depois que a Câmara dos Deputados votou por 393-0 (unanimidade) que "as atrocidades perpetradas pelos Estado Islâmico contra os cristãos, Yazidis e outras minorias religiosas e étnicas no Iraque e na Síria constituem crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio". Além disso, semanas atrás, o Parlamento Europeu já havia aprovado uma resolução semelhante.

"Nós certamente respeitamos os prazos que o Congresso promulgue em matéria de relatórios específicos, ou neste caso as decisões sobre genocídio", disse ele. "No entanto, nós também levamos o processo muito a sério. E por isso, se precisarmos de mais tempo ... a fim de alcançar, uma decisão mais baseada em evidências, baseada em fatos, vamos pedir mais tempo".

A votação na Câmara veio após o lançamento de um relatório detalhado, que documenta a perseguição enfrentada pelos cristãos na Síria e no Iraque sob domínio do Estado Islâmico, compilados pelas organizações norte-americanas 'Cavaleiros de Colombo' e 'Em Defesa dos Cristãos'.

"O povo americano e a consciência mundial imploram para que nossos líderes nacionais não fiquem em silêncio diante da formação do consenso internacional. A organização 'Em Defesa dos Cristãos' pede ao secretário de Estado John Kerry para se pronuciar com urgência em nome dos cristãos e outras minorias submetidas ao genocídio nas mãos do Estado Islâmico", disse o diretor executivo da IDC Kirsten Evans em um comunicado, respondendo ao atraso.

"Os cristãos - uma das minorias religiosas na região - estão perdendo suas vidas, enquanto o Estado Islâmico diariamente promove suas ações. As imagens de suas decapitações foram transmitidas para o mundo todo ver. Centenas de milhares de pessoas que sobreviveram estão vivendo como refugiados internos ou em terras estrangeiras. Tendo perdido tudo, e com pouco apoio real do Ocidente, eles estão sendo condenados a um futuro sem educação, sem assistência médica, sem abrigo adequado, sem comida suficiente, sem um lar. Um futuro sem esperança", acrescentou.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições