Gucci estreia coleção de moda com temas pró-aborto

Diretor criativo da marca de luxo italiana disse que coleção é "homenagem à lei italiana sobre o aborto”.

fonte: Guiame, com informações do Live Action

Atualizado: Segunda-feira, 10 Junho de 2019 as 8:47

Peça da coleção da marca Gucci com tema favorável ao aborto. (Foto: Reprodução/Life Action)
Peça da coleção da marca Gucci com tema favorável ao aborto. (Foto: Reprodução/Life Action)

A marca de luxo Gucci fez uma declaração apologética sobre o aborto com o lançamento de sua coleção Cruise 2020. Projetado pelo diretor criativo da Gucci, Alessandro Michele, a coleção apresentou roupas com mensagens provocativas pró-aborto.

Michele descreveu a coleção, revelada no Museu Capitolino, em Roma, na terça-feira (28), em uma entrevista ao Women's Wear Daily (WWD) como "homenagem à lei italiana sobre o aborto". Ele também disse que é um "hino à liberdade" que lhe permitirá expressar sua crença na ideia de autodeterminação e igualdade de gênero.

A linha de moda incluía uma jaqueta roxa com o slogan pró-aborto "Meu Corpo, Minha Escolha", bem como uma jaqueta com a data da lei de aborto da Itália, e uma saia com um útero florido.

Michele afirmou que as leis pró-vida aprovadas em vários estados dos EUA “me levaram a considerar o quanto as mulheres devem ser altamente respeitadas”, segundo a AP.

Peça com a frase pró-aborto "Meu corpo, minha escolha" da marca italiana Gucci para a coleção 2020. (Foto: Reprodução/Twitter)

"Eu queria retratar a ideia de que interromper uma gravidez não extermina o jardim, a flor, que é o útero de toda mulher", disse Michele em comentários gravados fornecidos à AP.

O estilista italiano não fez menção ao bebê que tem o corpo retirado à força do útero durante a chamada “interrupção da gravidez”, nem ao fato de que o procedimento violento pode potencialmente causar complicações graves e até mesmo fatais para as mulheres.

Em uma entrevista à WWD, Michele justificou suas mensagens pró-aborto afirmando: "O único mundo que posso imaginar é um mundo onde cada pessoa pode ser quem eles gostariam de ser, sem qualquer tipo de restrição ou julgamento".

No entanto, a violência do aborto condena pessoas sem voz todos os dias a nunca ter uma chance de se tornarem quem gostariam de ser. As próprias leis que Michele e Gucci estão protestando buscam proteger, fomentar e capacitar vidas humanas com o objetivo de garantir - usar as próprias palavras de Michele - que cada pessoa pode ser quem ela gostaria de ser, sem qualquer tipo de restrição ou julgamento.

No início de 2019, a marca de moda italiana ganhou as manchetes quando lançou um suéter balaclava de US$ 890 que muitos condenaram como uma reminiscência de blackface. A marca foi forçada a se desculpar.

veja também