Igreja celebra mês do orgulho gay e convida drag queen para culto com crianças

Dan Davidson colocou um vestido roxo, maquiagem e 'barba de glitter' para contar uma história às crianças, durante o culto de uma igreja, em Ohio (EUA).

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Terça-feira, 25 Junho de 2019 as 9:32

Dan Davidson vestiu-se como Sparkle Leigh para contar às crianças uma história infantil que promove a homossexualidade. (Foto: Cincinnati.com)
Dan Davidson vestiu-se como Sparkle Leigh para contar às crianças uma história infantil que promove a homossexualidade. (Foto: Cincinnati.com)

O zelador do prédio de uma igreja em Cincinnati, Ohio, vestiu-se de drag queen para ler um livro para as crianças durante um culto recente de domingo (16 de junho).

O jornal 'Cincinnati Enquirer' relatou que Dan Davidson se vestiu como "Sparke Leigh" — personagem que ele próprio criou — com um vestido roxo, maquiagem, salto alto e "uma barba de glitter" e se posicionou à porta da Igreja Presbiteriana de Mount Auburn, cumprimentando os membros e visitantes.

Após a música "God Welcomes All" (“Deus dá Boas-vindas a Todos”), entoada pelo coral da igreja, Davidson subiu ao palco e leu o livro “Pride: A História de Harvey Milk e a Bandeira do Arco-Íris” para o público. A história foi escrita para crianças, algumas das quais sentaram-se aos pés de Davidson durante a leitura.

"Harvey sonhou que todos - até mesmo os gays - um dia viveriam em igualdade", disse Davidson. "Ele sonhou que um dia as pessoas poderiam viver e amar como quisessem".

Davidson se apresentou como drag queen em Seattle, Washington, antes de se mudar para Ohio no mês passado, segundo o jornal.

Em outro momento durante o culto, um homem se levantou e compartilhou com a igreja a história de sua "saída do armário".

A igreja Presbiteriana de Mount Auburn é ligada à ‘PCUSA’ (Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos) — há muito tempo sem qualquer conexão com a Igreja Presbiteriana do Brasil — e está comemorando o mês do orgulho gay em junho, conforme relatou o jornal ‘The Enquirer’. As bandeiras do orgulho gay cobrem os salões e as velas do arco-íris estão no palco da igreja.

Patrocinando a 'Hora da História com Drag Queen'

Como a CBN News informou no início deste mês, uma igreja liberal da cidade de Leander (Texas) patrocinou um evento no qual drag queen’s contam histórias para crianças, depois que a biblioteca local cancelou o evento.

A igreja ‘Open Cathedral’ alugou uma sala na biblioteca pública e sediou o evento programado para 15 de junho. A igreja pagou as taxas para alugar o local, que está disponível para qualquer morador da cidade. No momento da publicação, 400 pessoas haviam respondido que planejavam comparecer ao evento.

A igreja renomeou o evento que antes se chama "Drag Queen Story Time" para "Leander Family Pride Festival", de acordo com a emissora de televisão.

A igreja ‘Open Cathedral’ é uma igreja progressista, que abraça a ideologia LGBTQ. O líder da congregação, Ryan Hart, disse que a igreja recebeu uma quantidade "esmagadora" de feedbacks positivos de seus membros e da comunidade de Leander como um todo. Ele disse que todos expressaram a necessidade na comunidade de um evento com drag queen’s como este.

A CBN News relatou anteriormente sobre vários eventos que visam crianças pequenas com ativismo LGBTQ, incluindo uma escola de ensino médio na Carolina do Norte, que convidou duas drag queens para falar com os alunos sobre sua identidade pessoal e gênero. As drag queens falaram em um painel e incentivaram as crianças a “celebrar os estilos de vida LGBTQ”.

Alerta

Apesar do aparente discurso de tolerância colocado sobre a proposta de eventos como esses, apoiados pelas igrejas Presbiteriana de Mount Auburn e ‘Open Cathedral’, especialistas apontam que expor crianças à ideologia de gênero e a cultura LGBT pode “destruir a noção de realidade” dos pequenos.

É o caso da pediatra Michelle Cretella, que destacou os danos que a ideologia de gênero pode causar ao desenvolvimento psicológico e emocional das crianças.

"O sexo biológico não é atribuído, mas sim determinado na concepção pelo nosso DNA e está estampado em cada célula de nossos corpos. A sexualidade humana é binária. Você tem um cromossomo Y normal, que se desenvolve em um homem, ou não, e você se transformará em uma fêmea. Existem pelo menos 6.500 diferenças genéticas entre homens e mulheres. Hormônios e cirurgia não podem mudar isso", destacou.

"Uma identidade não é biológica, é psicológica. Tem a ver com o pensamento e o sentimento. Pensamentos e sentimentos não são biologicamente definidos. Nosso pensamento e sentimento podem ser factualmente corretos ou factualmente incorretos", acrescentou.

"Iludir todas as crianças, desde a pré-escola em diante, com a mentira de que elas poderiam estar presas no corpo errado destrói o alicerce, a noção de realidade de uma criança. Se elas não podem confiar na realidade de seus corpos físicos, em quem ou no quê eles podem confiar? A ideologia de gênero nas escolas é o abuso psicológico que muitas vezes leva a castração química, esterilização e mutilação cirúrgica", disse.

veja também