Kaká testemunha como superou depressão: “Entendi minha identidade em Cristo”

Kaká contou detalhes de seus desafios e sua caminhada com Deus na Igreja Batista do Povo, em São Paulo.

fonte: Guiame

Atualizado: Quarta-feira, 31 Janeiro de 2018 as 5:36

Kaká afirma que todas as situações em sua vida tiveram um propósito de Deus. (Foto: Reprodução/Facebook)
Kaká afirma que todas as situações em sua vida tiveram um propósito de Deus. (Foto: Reprodução/Facebook)

A trajetória de Kaká no esporte é conhecida pela maioria das pessoas, mas detalhes de sua caminhada com Deus foram revelados por ele na última segunda-feira (29) na Igreja Batista do Povo, na zona sul de São Paulo.

“Cresci em um lar cristão, aprendi dos meus pais os valores cristãos. Fui crescendo e tendo experiências com Deus. Aos 12 anos fui batizado e aos poucos fui me formando, tanto espiritualmente quanto fisicamente como atleta”, contou o ex-jogador, que anunciou sua aposentadoria em dezembro do ano passado.

A carreira profissional de Kaká começou em 2001, quando se tornou o grande destaque do time São Paulo. Em 2002, ele foi convocado para a Copa do Mundo, na qual o Brasil foi pentacampeão mundial, e vestiu pela primeira vez a camisa com os dizeres ‘Eu sou de Jesus’.

“Na igreja que eu frequentava, a gente cantava um louvor que dizia ‘eu vou dizer ao mundo que eu sou de Jesus’. Aquilo ficou marcado na minha cabeça. Essa foi a primeira oportunidade que eu tive de usar uma camiseta dizendo isso”. A partir dali, Kaká passou a estampar essa frase nos momentos mais importantes de sua vida.

Depois de um período difícil no São Paulo, Kaká foi vendido para o Milan e vivenciou a conquista de diversos títulos para o time europeu. “Tudo fluía. Eu ia orando e as coisas aconteciam. Tudo estava às mil maravilhas”, ele lembra.

Em 2007, no auge de sua carreira, Kaká ganhou o prêmio de melhor jogador do mundo pela FIFA e, em 2008, foi eleito uma das personalidades mais influentes no mundo pela Time 100. “Cheguei muito mais longe do que eu podia pensar. Eu costumo citar esse versículo sempre: Deus tem muito mais do que podemos pedir ou imaginar. Realmente foi o que aconteceu na minha vida profissional”, afirma.

Em 2009, Kaká foi transferido para o Real Madrid em um contrato de 65 milhões de euros. “As coisas na minha vida estavam acontecendo de uma forma espetacular, tudo o que eu queria acontecia, eu orava e as coisas iam fluindo. Seria muito bom se meu testemunho terminasse aqui”, ele disse.

Dificuldades

Kaká não conseguiu conquistar títulos para seu novo time e teve que conviver com críticas sobre seu desempenho. Além disso, ele sofreu lesões que lhe fizeram ficar fora dos gramados e encarou a insatisfação da torcida madridista.

“Comecei a ter esses conflitos de Jó com Deus, debates, perguntas, questionamentos. Eu era o melhor jogador do mundo e passei a ser nada no Real Madrid. Eu comecei a ter uma crise de identidade, porque eu era o que eu fazia”, ele conta. “Eu fui aprendendo a ter um relacionamento com Deus, e não um Deus que saciava os meus desejos”.

Em 2013, quando retornou para o Milan, Kaká sofreu uma nova lesão e teve que se afastar novamente dos gramados. Nessa fase, ele pensou em desistir de jogar futebol. “Esse foi um dos momentos mais difíceis da minha vida até hoje, porque foi nesse momento que eu entrei em depressão. Foi exatamente por essa falta de identidade, eu não sabia mais quem eu era, se eu era o que eu fazia ou se eu era alguém, se eu tinha uma identidade fora do futebol ou não”, revela.

“Foi aí que eu entendi que eu era filho de Deus. Essa foi a maior identidade que eu consegui enxergar naquele momento. Eu já não era mais o melhor jogador do mundo, mas também não era o pior. Foi um momento de carreira distinto, mas eu continuava sendo filho de Deus”, acrescenta o ex-atleta. “Aos poucos, fui entendendo minha identidade em Cristo. Por isso que hoje eu sou muito bem resolvido para vir aqui e contar essa história para vocês”.

Kaká fez sua estreia oficial pelo Orlando City em 2015 e permaneceu no clube durante três anos. No fim da última temporada, ele reuniu sua família para fazer 40 dias de jejum e oração para tomar uma decisão sobre seu destino no futebol. Ele recebeu diversas propostas, mas sentiu em seu coração que era o momento de parar.

“Eu não consigo ver essa trajetória toda com uma lente diferente do cristianismo. Tudo o que aconteceu na minha vida, teve um propósito muito claro e definido de Deus para mim”, conclui Kaká.

Confira seu testemunho completo:

veja também