Medicamentos usados para transição de gênero já causaram mais de 6.000 mortes

Um órgão público dos EUA alertou sobre o uso de medicamentos perigosos que estão sendo prescritos a crianças para transição de gênero.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 26 Setembro de 2019 as 11:39

Bloqueadores de puberdade continuam sendo prescritos para crianças, apesar de suas contraindicações. (Foto: Shutterstock)
Bloqueadores de puberdade continuam sendo prescritos para crianças, apesar de suas contraindicações. (Foto: Shutterstock)

As substâncias que estão sendo usadas para interromper a puberdade em adolescentes para submetê-los à transição de gênero têm sido associadas a milhares de mortes de adultos, mostram dados do governo.

O órgão público ‘Food & Drug Administration’ (FDA), ligado ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos registrou milhares de mortes associadas ao ‘Lupron’, um medicamento conhecido por bloquear a puberdade, mas que também que é rotineiramente usado para tratar o câncer de próstata em homens e a endometriose em mulheres. As complicações adversas relacionadas ao seu uso incluem distúrbios mamários, neoplasias malignas e distúrbios psiquiátricos e nervosos.

O Lupron - e outras drogas da sua classe - altera significativamente os níveis hormonais no corpo e foi listado como um medicamento que causa coágulos sanguíneos e outras complicações cardiovasculares, além de ossos quebradiços e articulações defeituosas.

Entre 2004 e 30 de junho deste ano, o FDA documentou mais de 40.764 reações adversas sofridas por pacientes que tomaram esses medicamentos. Mais de 25.500 dos efeitos negativos foram associados a dois bloqueadores hormonais: Lupron, também conhecido como acetato de leuprolide, e Triptorelin, que possui um mecanismo de ação idêntico ao Lupron. As reações adversas rotuladas pelo FDA como "sérias" incluíram 6.370 mortes.

Mesmo com sua contra-indicação e sua desaprovação pelo FDA, o Lupron está sendo prescrito para uso em crianças que foram diagnosticadas com disforia de gênero para iniciar a transição de gênero nelas. O medicamento é clinicamente aprovado para o tratamento da puberdade precoce e o bloqueador é administrado por um curto período de tempo, até a idade adequada.

Relatos surgiram nos últimos anos, mostrando que a versão pediátrica da droga vem com poucos avisos sobre efeitos colaterais a longo prazo e leva a problemas de saúde duradouros e graves.

No entanto, quando injetado em um corpo fisicamente saudável, o medicamento interrompe um sistema endócrino que funciona normalmente, produzindo hipogonadismo hipogonadotrópico, de acordo com Michael Laidlaw, um endocrinologista de Rocklin, Califórnia, que explicou melhor esse distúrbio.

"É uma condição séria que os endocrinologistas normalmente diagnosticam e tratam porque isso interfere no desenvolvimento, mas em casos de [disforia de gênero] eles estão induzindo esse estado de doença", disse Laidlaw em entrevista ao National Catholic Register.

Contexto

Em 2017, o FDA disse que estava "conduzindo uma revisão específica sobre o sistema nervoso e eventos psiquiátricos em associação ao uso de agonistas do GnRH, [uma classe de medicamentos] incluindo Lupron, em pacientes pediátricos", em resposta a perguntas da Kaiser Health News e Reveal, do Center for Investigative Reporting, o órgão governamental também estava revisando convulsões decorrentes do uso da versão pediátrica de Lupron e de outros medicamentos de sua classe.

Os ativistas transexuais geralmente promovem esses medicamentos como um "botão de pausa" na vida, dando aos jovens tempo adicional para decidirem se devem prosseguir com os hormônios sexuais cruzados e a transição cirúrgica.

A ideia terapêutica por trás do uso do Lupron para o tratamento do câncer de próstata é que, ao inibir o fluxo de testosterona sobre a próstata e reduzi-lo a um nível baixo e indetectável, o tecido do câncer de próstata é impedido de crescer, disse Laidlaw ao Christian Post em um artigo anterior entrevista sobre os perigos da droga.

Ao contrário do câncer de próstata — uma doença em que a droga serve pelo menos para atingir as massas malignas do órgão — Laidlaw disse que não conhece nenhuma condição psicológica que seja tratada colocando os hormônios fora do alinhamento de seus níveis normais.

"A disforia de gênero não é uma condição endócrina, mas é psicológica e, portanto, deve ser tratada com cuidados psicológicos adequados. Mas torna-se uma condição endócrina quando você começa a usar bloqueadores da puberdade e a fornecer hormônios sexuais às crianças", enfatizou Laidlaw. no momento.

veja também