Milhares de cristãos que fugiram do Estado Islâmico ainda permanecem nos campos de refugiados

Vindas de diversas cidades, como Mosul e Qaraqosh, cerca de 1.700 famílias vivem em situações de restrição, em Ankawa, perto da capital curda de Arbil.

Fonte: Guiame, com informações do Christian TodayAtualizado: quinta-feira, 23 de julho de 2015 12:39
Refugiados estão vivendo em condições incrivelmente restritas, com várias famílias, muitas vezes compartilhando espaços minúsculos.
Refugiados estão vivendo em condições incrivelmente restritas, com várias famílias, muitas vezes compartilhando espaços minúsculos.

Os cristãos que foram obrigados a fugir do Estado Islâmico no ano passado ainda estão vivendo em campos de refugiados e muitos perderam a esperança de algum dia voltar para casa, segundo um católico siríaco tem relatado na cidade de Arbil (uma das maiores do Iraque).

Nascido em Mosul e católico caldeu, Sahar Mansour, está agora vivendo no campo de refugiados em Ankawa, perto da capital curda de Arbil, depois de ter sido expulso de sua casa por militantes do EI no ano passado. Há mais de 1.700 famílias católicas siríacas vivendo no campo, incluindo alguns que fugiram de Qaraqosh em agosto passado.

Qaraqosh já foi o lar da maior comunidade cristã do Iraque e foi invadida por jihadistas islâmicos Estado em 06 de agosto de 2014.

Escrevendo para a 'Catholic News Service', Mansour disse que há um crescente descontentamento e frustração no acampamento, sobretudo entre os jovens, para os quais existem poucas perspectivas.

"A maioria dos jovens está pensando em não ficar mais em Arbil e eles fazem o seu melhor para fugir", disse Sahar.

"Eles me dizem coisas como 'não há futuro aqui'; 'perdemos um ano da nossa vida' e dizem que 'a vida é importante, valioso e vale a pena viver, mas não vivê-la desta forma".

Refugiados estão vivendo em condições incrivelmente restritas, com várias famílias, muitas vezes compartilhando espaços minúsculos. Com poucos pertences e sem dinheiro, eles são forçados a depender de ajuda externa, como a que vem das igrejas.

"Quando você fala com o padre Bashar, você percebe que ele está cansado, exausto", disse Sahar. "Você pode facilmente notar a amargura no rosto dele ou em sua voz, mas ele trabalha com dedicação total".

"Ele sempre diz que fomos criados a fim de trabalhar, que somos soldados de Cristo, que queremos cultivar o amor e a paz, que queremos que as futuras gerações vivendo melhor do que nós vivemos agora e que nós não queremos herdar a cultura da violência".

Em entrevista à associação católica internacional de Ajuda à Igreja que Sofre, no ano passado, uma senhora cristã idosa foi forçada a fugir de Mosul para Ankawa e disse que ela e seus colegas refugiados não estavam com raiva de Deus, apesar de suas experiências traumáticas.

"Perdemos tudo. O pior é que não sabemos quando ou se seremos capazes de voltar à nossa pátria", disse ela. "Mas nenhum de nós está com raiva de Deus. Felizmente estamos todos vivos."

Siga-nos

Mais do Guiame