Netflix é indiciada nos EUA por lançar o filme ‘Cuties’, que sexualiza crianças

O filme 'Cuties' ('Lindinhas') tem sido apontado por diversos grupos e organizações como pornografia infantil e pedofilia legalizada,

fonte: Guiame, com informações do Life Site News

Atualizado: Quarta-feira, 7 Outubro de 2020 as 8:30

O filme "Cuties" ("Lindinhas") expõe garotas de 11 anos em cenas com danças sensualizadas e até de nudez parcial. (Imagem: Netflix / Reprodução)
O filme "Cuties" ("Lindinhas") expõe garotas de 11 anos em cenas com danças sensualizadas e até de nudez parcial. (Imagem: Netflix / Reprodução)

A gigante do streaming de vídeo Netflix foi indiciada em um tribunal do Texas por apresentar o polêmico filme francês ‘Cuties’, e agora enfrenta acusações de distribuição de material que equivale a pornografia infantil e pedofilia legalizada.

Cuties, que trata do polêmico mundo das competições de dança infantil e tem sido caracterizado por seus defensores como uma “crítica a esse mundo”, foi criticado por incluir filmagens de garotas menores de idade se envolvendo em atos sexualmente sugestivos e exibindo nudez parcial.

Na segunda-feira, o deputado estadual republicano do Texas Matt Schaefer revelou que um grande júri indiciou formalmente a Netflix por “promoção de material visual obsceno ao retratar crianças”:

Ao lançar ‘Cuties’ em sua plataforma, diz a acusação, a Netflix "promoveu conscientemente material visual que retrata a exibição obscena dos órgãos genitais ou da área púbica de uma criança vestida ou parcialmente vestida que tinha menos de 18 anos de idade na época em que o material visual foi criado, apelando ao interesse prudente pelo sexo, e não tem valor literário, artístico, político ou científico sério”.

“É claro que [as personagens] aprenderam seus movimentos sexualizados ao assistir garotas e mulheres mais velhas dançando na vida real e, principalmente, nas redes sociais”, de acordo com a revisão do filme exposta pela organização ‘Focus on the Family’. “Algumas das personagens mostram a Amy [protagonista] um vídeo de adolescentes dançando de tops curtos e shorts curtos, onde o seio nu de uma garota é exposto momentaneamente. Essa garota vai para a escola, o que obviamente significa que ela está sendo retratada como uma adolescente”.

“Quanto mais Amy posta fotos sexualizadas nas redes sociais, mais ela recebe curtidas e afirmações e quer postar mais”, continua a análise. “Isso chega a um nível extremo quando Amy usa o telefone para tirar uma foto de seus órgãos genitais e publicá-la nas redes sociais. Não vemos a foto, mas a vemos abaixar a calça e a calcinha para tirar a foto. Amy faz isso em um momento de desespero para tentar ganhar mais atenção e mais curtidas para seu grupo”.

“A coreografia de dança final das garotas, verdadeiramente hipersexualizada em uma competição, as mostra mais uma vez imitando quase todas as poses e movimentos sexuais que você pode imaginar que já viu nos vídeos”, continua a crítica. “A multidão grita com aprovação no início, e os jurados parecem encorajá-las. Enquanto fazem beicinho e se contorcem, no entanto, a multidão e os juízes ficam cada vez mais desconfortáveis ​​com a coreografia, uma das maneiras pelas quais o próprio filme critica os movimentos excessivamente sexualizados que as garotas adotaram”.

A Netflix ainda não abordou publicamente a acusação, que foi aberta em 23 de setembro, mas Cuties tem sido um ponto focal de controvérsia para a empresa já há algum tempo.

Vários senadores republicanos dos EUA, incluindo Ted Cruz do Texas e Tom Cotton de Arkansas, pediram ao Departamento de Justiça dos EUA para examinar quais leis federais sobre pornografia infantil a Netflix pode ter violado, enquanto Josh Hawley, de Missouri e Mike Lee, de Utah escreveram para a própria Netflix, falando sobre o assunto. Um democrata proeminente, o deputado Tulsi Gabbard do Havaí, também condenou o filme.

Mais de 650.000 pessoas assinaram uma petição da Change.org, conclamando as pessoas a cancelar suas assinaturas da Netflix enquanto o filme estiver disponível na plataforma de streaming.

veja também