OMS assume que usa tecnologia para controlar publicações sobre Covid-19 nas redes sociais

Em uma nova publicação, a OMS falou sobre as ferramentas de tecnologia que tem usado para 'combater a desinformação' na pandemia.

fonte: Guiame, com informações da OMS / Life Site News

Atualizado: Terça-feira, 1 Setembro de 2020 as 11:19

Tedros Adhanom Ghebreyesus é o diretor-geral da OMS. (Foto: AFP)
Tedros Adhanom Ghebreyesus é o diretor-geral da OMS. (Foto: AFP)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está trabalhando com uma empresa de análise para se engajar em "escuta social" para monitorar milhões de contas de mídia social e controlar as notícias relacionadas à pandemia do coronavírus, sob o pretexto de combater a "desinformação por coronavírus".

De acordo com um post de notícias da OMS de 25 de agosto intitulado "Imunizando o público contra a desinformação", a OMS, que é o braço de saúde das Organização das Nações Unidas, afirma que há "uma superabundância de informações e a rápida disseminação de notícias, imagens enganosas ou fabricadas, e vídeos” sobre o coronavírus.

Por exemplo, a OMS disse em seu comunicado à imprensa que estava trabalhando com “colegas da iniciativa Global Pulse da ONU, que usa inteligência artificial e big data para lidar com o desenvolvimento e questões humanitárias e para aplicar a escuta social em países onde o rádio é um meio popular de informação".

“Não estamos apenas lutando contra o vírus”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um comunicado à imprensa. “Também estamos lutando contra os trolls e teóricos da conspiração, que promovem a desinformação e minam a resposta ao surto”.

“Infodêmicos”

A OMS realizou sua primeira “Conferência de Infodemiologia” em junho e julho, na qual apelou para a “adaptação, desenvolvimento, validação e avaliação de novas medidas e práticas baseadas em evidências para prevenir, detectar e responder à desinformação e desinformação”.

De acordo com a OMS em fevereiro deste ano, muito antes de a maioria das nações começarem a se fechar devido ao coronavírus, eles se reuniram na sede do Facebook para ver "sobre como promover informações de saúde precisas sobre o COVID-19".

A OMS afirma que está "trabalhando com mais de 50 empresas digitais e plataformas de mídia social", que incluem Google, TikTok e YouTube, "para garantir que as mensagens científicas da organização ou de outras fontes oficiais apareçam primeiro quando as pessoas pesquisarem por informações relacionadas ao COVID-19”.

A OMS classificou como "desinformação" sobre o coronavírus um termo que chama de "Infodêmico", que, diz, "como o vírus… isso é altamente contagioso e cresce exponencialmente".

É por causa dessas publicações “infodêmicas” que a OMS afirma que está usando ferramentas de “escuta social” com “monitoramento de aprendizado de máquina” para combater “notícias falsas”.

A OMS afirma que, todas as semanas, analisa 1,6 milhão de “informações em várias plataformas de mídia social”.

Os funcionários então usam o “aprendizado de máquina” para reunir uma “taxonomia de saúde pública recém-desenvolvida” para categorizar as informações em quatro tópicos diferentes: causa, doença, intervenções e tratamento.

Tim Nguyen é um especialista em tecnologia que está ajudando a Rede de Informação para Epidemias da OMS (EPI-WIN) no trabalho de combate à "desinformação". No comunicado à imprensa da OMS, ele disse que o combate às "notícias falsas" chegou "tarde demais" no jogo.

“Contornar notícias falsas ou boatos é, na verdade, apenas responder ou mitigar quando já é tarde demais”, disse Nguyen no comunicado à imprensa. “O que colocamos em prática no início da pandemia é o que chamamos de abordagem de escuta social.”

De acordo com o comunicado à imprensa da OMS, o "aprendizado de máquina" fornece insights sobre "quais tipos de emoções os usuários estão experimentando".

“Em vez de simplesmente dividir os dados por tipo de sentimento (positivo, neutro, negativo), a análise da linguagem pode lançar luz sobre ansiedade, tristeza, negação, aceitação e outras emoções expressas em postagens de mídia social”, diz a OMS em seu comunicado à imprensa .

Credibilidade em queda

Em julho, a administração do presidente dos Estados Unidos Donald Trump iniciou formalmente o processo de retirada de seu país da OMS. Em abril, ele disse que a OMS tinha um papel "importante na gestão inadequada e no encobrimento da disseminação do coronavírus".

Fato é que a credibilidade da própria OMS vem sendo questionada pela população e até mesmo por governos, após passar informações um tanto contraditórias, como a validade ou não do uso de máscaras para se prevenir contra o coronavírus, a comprovação ou não da eficácia da Cloroquina no tratamento da Covid-19 e os impactos que a pandemia poderia gerar ou não na economia, caso as medidas de lockdown fossem adotadas.

Ainda em abril, um representante da OMS disse que o aborto deveria ser um “serviço essencial” durante a crise do coronavírus.

veja também