Opositor de Trump quer introduzir ensino do islamismo em escolas públicas dos EUA

O candidato democrata Joe Biden fez a afirmação durante uma conferência online com líderes de comunidades muçulmanas dos EUA.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quinta-feira, 23 Julho de 2020 as 11:54

Joe Biden espera conseguir "gerar um milhão de novos eleitores muçulmanos" ao ensinar sobre o islamismo nas escolas públicas. (Foto: YemeniAmerican)
Joe Biden espera conseguir "gerar um milhão de novos eleitores muçulmanos" ao ensinar sobre o islamismo nas escolas públicas. (Foto: YemeniAmerican)

O candidato presidencial democrata Joe Biden (opositor de Trump nas eleições de 2020) disse aos participantes da Cúpula dos Eleitores Muçulmanos esta semana que as escolas públicas dos EUA devem ensinar mais aos seus estudantes sobre o islamismo.

Biden incluiu o Islã como uma das "grandes religiões confessionais" e disse: "Eu gostaria que ensinássemos mais em nossas escolas sobre a fé islâmica. Gostaria que falássemos sobre todas as grandes religiões confessionais. É uma das grandes religiões confessionais".

A conferência online foi organizada pelo Emgage Action, um grupo de ação política que endossou Biden em abril e que espera gerar um milhão de eleitores muçulmanos para Biden em novembro. Várias autoridades muçulmanas americanas, incluindo o deputado Ilhan Omar (D-MN), o procurador-geral do Minnesota Keith Ellison e o deputado Andre Carson (D-IN) assinaram na segunda-feira uma carta escrita pela Emgage Action, endossando Biden.

"Todos nós viemos da mesma raiz aqui em termos de nossas crenças básicas fundamentais", disse Biden à cúpula muçulmana, "e eu só quero agradecer por me dar a oportunidade, por estarem envolvidos, por se comprometerem em novembro deste ano".

Mas nem todos concordam que o Islã deve ser agrupado às mesmas religiões do tipo confessional que o cristianismo e o judaísmo. Uma das principais preocupações é o esforço histórico do Islã para dominar, excluindo todas as outras religiões.

Em um artigo sobre o esforço para eleger os muçulmanos para cargos públicos, publicado na semana passada por Robert Spencer, ele cita o co-fundador do Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR), Omar Ahmad, dizendo: "O Islã não está na América para ser igual a qualquer outra fé, mas sim para se tornar dominante. O Corão, o livro de escrituras muçulmanas, deve ser a autoridade mais alta da América, e o Islã a única religião aceita na Terra".

Spencer diz que, quando confrontado com essas palavras, Ahmad negou veementemente tê-las dito. Mas Spencer escreve que "a repórter original, Lisa Gardiner, da Fremont Argus, “manteve sua versão dos fatos". Além disso, ele cita o porta-voz do CAIR, Ibrahim Hooper, que disse uma vez: "Eu não gostaria de criar a impressão de que não gostaria que o governo dos Estados Unidos fosse islâmico em algum momento no futuro".

Enquanto isso, Spencer escreve, de acordo com um documento interno capturado, "a Irmandade Muçulmana (à qual estão ligados todos os principais grupos muçulmanos dos EUA, incluindo o CAIR) se dedica a, como em suas próprias palavras, 'eliminar e destruir a civilização ocidental por dentro, e sabotar sua casa miserável... para que caia, e a religião de Alá seja vitoriosa sobre as outras religiões".

O Islã nas escolas públicas

Grupos como o CAIR incentivam a participação dos muçulmanos na seleção de livros didáticos e na elaboração de currículos islâmicos para as escolas públicas, o que apenas aumenta as preocupações de muitas pessoas sobre a sugestão de Biden de ampliar os estudos sobre o islamismo nas escolas americanas.

O Centro Americano de Direito e Justiça (ACLJ), um órgão de vigilância da liberdade religiosa, relata numerosos casos nos últimos anos em que o ensino do Islã passou do conhecimento geral da religião para a doutrinação de crianças em idade escolar.

Em seu site, o ACLJ cita algumas tarefas que suscitaram preocupação dos pais, como crianças do ensino médio no Tennessee sendo instruídas a escrever "Alá é o único Deus" e recitar o credo islâmico de conversão. Uma tarefa em uma escola pública de Wisconsin disse aos alunos para "fingirem que são muçulmanos".

Na Geórgia, o Atlanta Journal-Constitution relatou os padrões dos currículos estaduais e como estava sendo realizado algum ensino sobre várias religiões. No relatório da AJC: "É importante que os alunos entendam as diferenças entre cada uma dessas religiões para ajudá-los a entender as tensões que existem na região", dizem os padrões estaduais, conhecidos como padrões de desempenho da Geórgia.

No condado de Walton, uma escola passou uma tarefa de casa que um dos pais achou censurável.

"Alá é o (preencha o espaço em branco) adorado por judeus e cristãos", dizia o documento. A criança deveria preencher o espaço em branco com as palavras "mesmo Deus". O cristianismo histórico não ensina que o "Deus" islâmico é o mesmo Deus que Jesus Cristo. Mas é um exemplo citado no site do CAIR como um fato do Islã que deve ser ensinado aos estudantes.

O ACLJ diz que há relatos em todo o país de "crianças inocentes sendo ensinadas a fazer orações islâmicas, ter seus tapetes de oração e praticar outros rituais islâmicos".

Enquanto isso, informa o ACLJ, os estudantes cristãos estão sendo instruídos a não levar as Bíblias para a escola ou orar.

O objetivo da Cúpula dos Eleitores Muçulmanos é reunir um milhão de muçulmanos para ir às urnas em novembro deste ano para derrotar Donald Trump. A esperança é gerar eleitores em áreas densamente povoadas por muçulmanos, como em Michigan, onde Trump ganhou por menos de 11.000 votos em 2016.

"Vocês estão fazendo o que nunca foi feito antes. Vocês estão registrando e gerando mais de 1 milhão de eleitores muçulmanos em novembro", disse Biden. "Isso é importante".

O conselheiro sênior de Biden para o envolvimento muçulmano, Farooq Mitha, disse que ganhar os votos de muçulmanos americanos é uma prioridade para Biden, apontando para vários eventos de campanha.

veja também