Professora cria 'teatro' para ensinar mudança de gênero e traumatiza crianças, nos EUA

A professora usou um garoto de 5 anos de idade para mostrar a outras crianças como se dá um processo de transição de gênero.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 24 Agosto de 2017 as 10:10

Professora lê para crianças em escola dos EUA. (Foto: The Resurgent)
Professora lê para crianças em escola dos EUA. (Foto: The Resurgent)

Uma escola charter da Califórnia está sendo duramente criticada, após uma de suas professoras do jardim de infância ter organizado uma cerimônia (encenação) de "transição de gênero" durante a aula. Os pais das crianças que assistiram ao momento disseram que elas estão traumatizadas.

Na escola 'Rocklin Academy Gateway', da cidade de Sacramento (Califórnia), uma professora do jardim de infância usou um menino de 5 anos de idade - que segundo informações, já estaria em fase de transição para se tornar uma menina - para fazer a tal encenação.

Como os temas relacionados a "identidade de gênero" não se enquadram no currículo de 'educação sexual', as leis de consentimento de desativação e parental não se aplicam neste caso, de acordo com relatórios locais.

Esta "lição" aconteceu apenas alguns dias antes do início das férias de verão da escola e os pais dos alunos locais estão considerando entrar com ações legais contra a instituição de ensino. Mas em resposta à crescente raiva entre os pais, a escola disse que, "se não incluir esses estudantes transgêneros, também estará exposta a ações judiciais".

Durante a aula em questão, a professora também leu antes da encenação, "I'm Jazz" e "The Red Crayon" - dois livros infantis destinados a explicar a transição de gênero para crianças de 4 a 8 anos.

"Desde o momento em que tinha dois anos, Jazz sabia que ela tinha o cérebro de uma garota no corpo de um garoto", diz um trecho do livro "I'm Jazz".

Jonathan Keller, presidente do Conselho de Família da Califórnia, disse ao portal 'LifeSiteNews' na última segunda-feira (21) que após a leitura, a professora então "realizou aquele tipo de 'cerimônia' de transição de gênero" usando aquela criança de 5 anos.

Na cerimônia, a professora apresentou o aluno de 5 anos para a turma como um menino, então ele entrou no banheiro e saiu vestido como uma menina. A professora disse então ao resto das crianças que seu colega de classe se tornou uma "garota", dizendo que "ela" já tinha o nome de uma menina. Todas as outras crianças foram instruídas a tratar o garoto de "ela", a partir daquele momento.

Keller disse ao 'LifeSiteNews' que, como resultado daquela encenação, algumas crianças estavam "profundamente incomodadas e traumatizadas emocionalmente".

"Havia várias garotas que corriam para seus pais e estavam chorando e perguntando: 'Mamãe, papai, eu vou me transformar em um menino?", contou ele.

Outras crianças também ficaram confusas e começaram a perguntar se elas podem se vestir como o gênero oposto.

A integração de uma 'identidade de gênero autodeterminada' vem aumentando nos últimos anos, particularmente nas escolas públicas dos Estados Unidos.

Segundo David Pickup, um terapeuta familiar licenciado, disse que os pais podem, de fato, se manifestar contra isso, quando perceberem que os professores estão ensinando aos seus filhos que "a transição de gênero é normal".

"Um pai pode insistir com compaixão e firmeza para que a escola seja eduque seus filhos adequadamente, o que significa que os pais terão que ter todos os seus fatos e pontos de pesquisa seguidos, o que é fácil de fazer com médicos ou terapeutas licenciados", disse Pickup em entrevista ao The Christian Post.

 

veja também