Rituais de canibalismo estão sendo impostos às pessoas, na guerra civil do Sudão do Sul

Testemunhas no relatório afirmaram que as pessoas da região de Juba foram forçadas a beber o sangue e comer a carne de humanos que tinham acabado de morrer.

Fonte: Guiame, com informações do Christian PostAtualizado: sexta-feira, 30 de outubro de 2015 11:19
Refugiados do Sudão do Sul disputam a fila para participar das comemorações para marcar o Dia Mundial do Refugiado no campo de refugiados de Kakuma, no distrito de Turkana, a noroeste da capital do Quênia Nairobi, em 20 de junho de 2015.
Refugiados do Sudão do Sul disputam a fila para participar das comemorações para marcar o Dia Mundial do Refugiado no campo de refugiados de Kakuma, no distrito de Turkana, a noroeste da capital do Quênia Nairobi, em 20 de junho de 2015.

A União Africana descreveu casos de extremo sofrimento e violência na guerra civil do Sudão do Sul, nos quais algumas pessoas estariam sendo forçadas a comer carne humana e beber sangue.

"A Comissão considera que crimes de guerra foram cometidos em Juba, Bor, Bentiu e Malakal", informou a União em seu relatório, de acordo com a BBC News.

Testemunhas no relatório afirmaram que as pessoas em Juba foram forçadas a beber o sangue e comer a carne de pessoas que tinham acabado de morrer.

Elas também alegaram ter perpetradores assistiram à "drenagem de sangue humano, retirado de pessoas que tinham morrido há pouco e forçaram outros de uma comunidade étnica a beber o sangue ou comer carne humana queimada".

A guerra civil entre os grupos governamentais e rebeldes irrompeu em dezembro de 2013, na sequência de um conflito entre o presidente Salva Kiir - da etnia Dinka - e seu rival e ex-vice-presidente Riek Machar, da etnia Nuer.

Dezenas de milhares de pessoas foram mortas nos combates, enquanto outros 2 milhões foram forçados a fugir de suas casas. A violência tem continuado, apesar de pelo menos sete tentativas de um cessar-fogo duradouro.

O Sudão do Sul foi tornou-se um estado independente em 2011, após a quebra da República do Sudão.

Um artigo publicado no jornal 'The Guardian' nesta quarta-feira (28) descreveu como o conflito deslocou milhões de pessoas e levou o país à beira da fome.

O vice-representante do UNICEF para o Sudão do Sul, Ettie Higgins disse que ela nunca viu uma emergência tão imprevisível como o que está surgindo agora na nação mais jovem do mundo.

"As pessoas estão extremamente desnutridas", disse Higgins. "Estamos vendo maciçamente altas taxas de desnutrição entre as mães que guardam tudo para dar a seus filhos, incluindo os tubérculos de lírios. As mães estão chegando [ao acampamento proteção de civis Bentiu, no norte do Estado] literalmente em colapso. Esse nível de sofrimento humano e desespero é algo que eu nunca vi em nenhum outro lugar".

Higgins acrescentou que as crianças estão pagando o preço mais alto da guerra civil e disse que mais de 15.000 crianças são teriam sido recrutadas como soldados. Perto de 1.500 delas morreram nos combates, enquanto milhares de outras pessoas morreram de doenças, como a malária, cólera ou diarreia e desnutrição.

Grupos cristãos de ajuda humanitária que têm ajudando o povo do Sudão do Sul, como a Bolsa do Samaritano, também documentaram o extremo sofrimento que os cidadãos do país têm sofrido.

"Essas pessoas estão sofrendo além da crença e elas estão sendo bombardeadas por seu próprio governo", disse o Rev. Franklin Graham, que lidera a organização humanitária, em uma mensagem em julho.

"A luta continuou em Nuba e do Nilo Azul, desestabilizando todo o nordeste da África e devastando o Sudão do Sul - toda a região está sob fogo com derramamento de sangue".

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições