"Sinto que arruinei a minha vida", diz jovem que fez cirurgia de mudança de sexo

O rapaz relatou sua decepção com o resultado da cirurgia de mudança de sexo, que o fez sentir-se como um 'Frankstein'.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quarta-feira, 20 Novembro de 2019 as 9:40

Consultas firmadas sobre conceitos equivocados, fruto da ideologia de gênero, têm levado jovens e até crianças a iniciarem o processo de mudança de sexo. (Foto: Getty Immages)
Consultas firmadas sobre conceitos equivocados, fruto da ideologia de gênero, têm levado jovens e até crianças a iniciarem o processo de mudança de sexo. (Foto: Getty Immages)

Ele fez uma cirurgia de mudança de sexo aos 18 anos, mas menos de um ano depois, lamenta sua decisão dizendo: "Sinto que arruinei a minha vida".

Em um comentário publicado no site 'The Daily Signal', em 17 de novembro, Walt Heyer, um ex-transgênero, escreveu sobre uma carta que recebeu de um rapaz a quem ele chamou pelo nome fictício de Nathaniel.

Nathaniel disse a Heyer que ele foi intimidado por meninos em sua escola primária porque ele era sensível e gostava de brincar com as meninas.

Quando ele era mais velho, se deparou com pornografia na internet e também tentou saber mais sobre o transgenerismo. Depois de suas buscas, pensou que havia descoberto algo importante sobre sua identidade.

"Me convenci de que era isso que eu era", contou ele sobre ser transgênero.

Heyer escreve que o adolescente finalmente teve coragem de contar à mãe quando ele estava no ensino médio, o que levou a uma consulta com "um médico em uma clínica de consentimento informado".

Uma semana após seu aniversário de 15 anos, o garoto começou a se consultar com o médico da clínica. E Heyer relatou que nos anos seguintes, as mudanças que sofreu não melhoraram sua vida.

"A partir de então", diz Nathaniel, "eu lentamente me afastei de tudo até querer só ficar em casa, jogando videogame e navegando na internet o dia todo. Parei de ler, desenhar, andar de bicicleta. Eu me fechei em uma câmara, que ecoou, apoiou e validou minhas más decisões, porque os outros também estavam, infelizmente, presos naquele poço profundo".

Um mês após seu aniversário de 18 anos, o adolescente teve sua genitália removida e também teve que fazer uma cirurgia facial para tentar tornar seus traços "mais femininos".
 
Nove meses depois, ele escreveu: "Agora que estou totalmente recuperado das cirurgias, lamento muito. O resultado da cirurgia no fundo parece um trabalho de invasão, algo como um Frankenstein, na melhor das hipóteses, e isso me fez pensar criticamente sobre mim. Eu me tornei a cópia de uma cirurgia plástica de mulher, mas sabia que ainda não era uma. Fiquei (e até certo ponto ainda me sinto) profundamente deprimido".

Heyer, que recebeu e transmitiu o conteúdo da carta, preservando o nome do homem, aponta a verdade impopular que Nathaniel aprendeu da maneira mais difícil: é "um homem, não é e nunca poderá se tornar uma mulher, mesmo com genitais remodelados cirurgicamente e cirurgia facial feminilizada".

"O benefício de um aconselhamento sólido e eficaz", ressalta, "teria impedido que esse erro horrível acontecesse. Ele vai lidar com isso pelo resto da vida".

E o médico e a clínica que o aconselharam, que fizeram uma lavagem cerebral e mudaram a vida desse jovem?

"Ninguém vai ajudar esse jovem a desfazer a transição", explicou Heyer. "A chamada 'clínica de consentimento informado' (como se um adolescente pudesse dar consentimento informado) lavou suas mãos. A ideologia imprudente reivindica outra vida".

Como a CBN News relatou, Heyer também viveu esse pesadelo transgênero, eventualmente se transformando de volta em um homem, 25 anos atrás, depois de perceber que não deveria ter tentado se tornar uma mulher.

Ele diz que foi contatado por centenas de transgêneros arrependidos ao longo dos anos, e a crise só está piorando à medida que o movimento de transgêneros ganhou apoio popular na cultura.

Através de seu site, SexChangeRegret.com, e seu blog, WaltHeyer.com, Heyer aumenta a conscientização pública sobre aqueles que se arrependem da mudança de gênero e das trágicas consequências sofridas como resultado disso. Seu livro é intitulado "Trans Life Survivors" ("Sobreviventes da Vida Trans").

veja também