Trump destina US$ 50 milhões para programas de apoio à liberdade religiosa internacional

O presidente deu 180 dias para o secretário de Estado Mike Pompeo implementar os planos de ação junto aos órgãos governamentais.

fonte: Guiame, com informações do Premier

Atualizado: Quinta-feira, 4 Junho de 2020 as 9:55

Donald Trump exibe a assinatura da ordem, entre a primeira-dama Melania e o vice Mike Pence. (Foto: Reprodução/Twitter)
Donald Trump exibe a assinatura da ordem, entre a primeira-dama Melania e o vice Mike Pence. (Foto: Reprodução/Twitter)

O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma ordem executiva destinando US$ 50 milhões ao Departamento de Estado por causas relacionadas ao avanço da liberdade religiosa internacional.

A ordem, assinada por Trump na terça-feira (1), diz: "A liberdade religiosa, a primeira liberdade da América, é um imperativo moral e de segurança nacional. A liberdade religiosa para todas as pessoas em todo o mundo é uma prioridade da política externa dos Estados Unidos, e os Estados Unidos respeitarão e promover vigorosamente essa liberdade.”

Uma das orientações feitas pelo presidente americano dá ao Secretário de Estado Mike Pompeo 180 dias para consultar o administrador da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional e "desenvolver um plano para priorizar a liberdade religiosa internacional no planejamento e implementação da política externa dos EUA e em programas de assistência externa do Departamento de Estado e da USAID.”

A ordem também direciona Pompeo a chefiar chefes de missão em países incluídos na lista de "países de particular preocupação" do Departamento de Estado dos EUA para "incentivar os governos anfitriões a progredir na eliminação de violações da liberdade religiosa".

O Departamento de Estado também é instruído a trabalhar com o Departamento do Tesouro para fazer "recomendações para priorizar o uso apropriado de ferramentas econômicas" para promover a liberdade religiosa em todo o mundo; tais ferramentas incluirão "aumentar a programação da liberdade religiosa, realinhar a assistência estrangeira para melhor refletir as circunstâncias do país ou restringir a emissão de vistos".

Os departamentos governamentais também poderão apreender ativos mantidos nos EUA de países que violam as liberdades religiosas de seus cidadãos - uma sanção legalizada pela Lei Magnitzky Global. As proibições de viagem também podem ser decretadas como uma forma legítima de punição.

Além disso, a ordem estipula que todos os funcionários do serviço público de relações exteriores do Departamento de Estado devem receber treinamento sobre questões de liberdade religiosa internacional a cada três anos.

A ordem diz: "Dentro de 90 dias da data desta ordem, os chefes de todas as agências que designam pessoal para cargos no exterior devem enviar planos ao Presidente, através do Assistente do Presidente para Assuntos de Segurança Nacional, detalhando como suas agências incorporarão o tipo de treinamento ".

O reverendo Johnnie Moore, que serviu como comissário da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional, chamou a ordem de "histórica" ​​e observou que "claramente, em parte se destina a confrontar um comunismo ressurgente tipificado pelo PCC da China".

Sean Nelson, do grupo internacional de defesa da liberdade religiosa ADF International, elogiou a ordem como "enorme".

"Muitas coisas boas da ordem executiva de #InternationalReligiousFreedom", disse no Twitter.

veja também