Ucranianos se ajoelham para orar na praça da cidade, horas após ataque

O momento foi registrado pela CNN na principal praça de Kharkiv, horas após as explosões russas.

Fonte: Guiame, com informações da CNNAtualizado: quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022 12:09
Pessoas se ajoelham para orar em Kharkiv, na Ucrânia. (Foto: CNN/Reprodução)
Pessoas se ajoelham para orar em Kharkiv, na Ucrânia. (Foto: CNN/Reprodução)

Um grupo de pessoas em Kharkiv, na Ucrânia, se ajoelhou na praça principal da cidade e orou após o anúncio do ataque da Rússia. O momento foi registrado por uma equipe de reportagem da CNN na manhã desta quinta-feira (24).

A cidade, também chamada de Carcóvia, fica a apenas 40 quilômetros da fronteira com a Rússia e foi onde algumas explosões ocorreram mais cedo. Os bombardeiros aconteceram depois que o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou o início de uma operação militar na Ucrânia.

No vídeo, registrado às 7h12 (horário da Ucrânia), um grupo de seis pessoas se reúne em um pequeno círculo. Um deles permanece de pé enquanto os outros se ajoelham perto um do outro. Trinta segundos depois, uma sétima pessoa se junta ao grupo e se ajoelha.

A correspondente da CNN, Clarissa Ward, que está em Kharkiv, disse que a cena “fala do desespero deste momento”.

“Um pequeno grupo de pessoas se reuniu na praça principal e estão ajoelhados e orando”, disse ela no vídeo. “Porque agora há realmente uma sensação de não ter ideia do que está por vir, o que está reservado para o povo da Ucrânia nas próximas horas e nos próximos dias. E está muito frio aqui.”

“E ver essas pessoas ajoelhadas numa pedra fria em oração é, sinceramente, é muito comovente, Don”, disse Ward ao âncora da CNN, Don Lemon. “E acho que isso mostra o estado dos ucranianos comuns aqui, que não fizeram absolutamente nada para merecer isso, que não têm problemas com a Rússia.” 

Ataque da Rússia

As forças russas iniciaram um ataque em larga escala à Ucrânia na madrugada desta quinta-feira (24), com explosões na capital Kiev e outras cidades.

Líderes mundiais tentavam evitar a catástrofe com uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, em meio a alertas de que uma possível invasão poderia iniciar a maior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial em 1945.

Quando o ataque começou, em um discurso televisionado, o presidente russo, Vladimir Putin, alertou o Ocidente que qualquer tentativa de interferência “levaria a consequências que você nunca viu na história”.

O presidente dos EUA, Joe Biden, declarou que o mundo “responsabilizará a Rússia”. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, condenou a ação da Rússia como uma violação do direito internacional e uma ameaça à segurança europeia.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, decretou a lei marcial, que consiste na implantação de leis e autoridades militares. 

Moradores de Kiev foram ouvidos gritando nas ruas quando as primeiras explosões aconteceram. Na manhã desta quinta, um grande tráfego de carros passou a circular nas ruas, com cidadãos saindo da capital.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições