Após profunda depressão, mulher passa a valorizar as pequenas coisas da vida

Após profunda depressão, mulher passa a valorizar as pequenas coisas da vida

Atualizado: Quarta-feira, 18 Novembro de 2009 as 12

Vou tentar fazer um resumo de minha vida! E lá se vão bons e muitos anos....

Fui a segunda filha do casamento de meus pais, três anos depois vieram mais três irmãos um em cada ano (sou filha única no meio de quatro irmãos).

Era bastante tímida em minha infância, com seus problemas comuns a várias crianças. Aos 11 anos tive meu encontro com Deus, um dia marcante em minha vida que nunca vou esquecer, apesar da pouca idade, antes desse encontro sentia um grande vazio em minha vida e reconheci também meu estado pecador, muitas vezes de revolta para com as pessoas, principalmente para com meus pais.

Na adolescência, logo com 13 anos, comecei a namorar (aquele que hoje seria meu marido, ele tinha 15 anos). Nos separamos e voltamos a namorar várias vezes. Com meus 18 anos tive a certeza de ser ele o escolhido por Deus pra ser meu companheiro pro resto de minha vida, e ele logo depois também teve essa certeza.

Casamos em 1980, eu com 21 anos e ele com 23, um ano mais tarde estávamos esperando com muita alegria nossa primeira filha, no dia seguinte ao seu nascimento recebi a triste notícia do falecimento de meu pai que estava internado, isso me trouxe muita tristeza; me aconselharam a não ficar triste e ter forças pra cuidar do meu bebê e ela me ajudou muito sem saber, foi meu consolo, alegria e me deu muita força.

Dois anos depois meu esposo recebeu proposta pra ser gerente em outra cidade e eu estava novamente grávida da segundinha! Logo depois que ela nasceu, tivemos nova transferência de cidade. Três anos depois fiquei grávida de gêmeas, que soubemos serem duas logo no início (temos tudo em vídeo, dos ultra-sons desde esses tempos).

Elas nasceram saudáveis, como pedi durante toda minha gravidez e foram liberadas do hospital junto comigo. Quando elas estavam com 6 meses de idade, recebemos nova proposta de transferência de cidade....aí a coisa começou a se complicar, meu marido foi quem escolheu a casa de aluguel, já que eu não podia ir. Contratamos uma empresa especializada pra nos ajudar na mudança (eu não tinha tempo pra nada, já que entre outras coisas, estava amamentando as gêmeas). Chegando lá, fiquei chateada logo no início, pois a casa era bem ruim, pisos saindo do chão, baratas nas gavetas...a mudança chegou e, não fizeram nada do que combinaram, foram despejando as coisas pelo chão...minha mãe veio pra tentar me ajudar, mas ela tinha úlceras nas pernas e eu fui me preocupando com ela também... fiquei estressada, não tinha sono a noite, perdi o apetite, fui levando como dava, mas me sentia muito triste e desanimada.

Alguns dizem que foi depressão pós parto, mas acredito que foi muito mais pelas dificuldades que tive na mudança de cidade, é claro já com tantos afazeres que já tinha com as quatro filhas que me levou a um stress grande.

Em uma semana fiquei tão mau que cheguei a ter confusões mentais, precisei ser internada em clínica psiquiátrica por quase um mês, não foi fácil, pois lá a maioria dos pacientes eram dependentes químicos. Mas Deus se fez presente naquele local comigo, fui melhorando rapidamente e sentindo o cuidado do Pai. Dependi de remédios por um bom tempo nesta depressão, fiz tratamento por doze anos com várias recaídas, tomando vários medicamentos como Haldol, Tegretol, Semap, Carbomazepina e Carbonato de Lítio, se faço dosagem de lítio no sangue geralmente está quatro vezes mais baixo do que o normal, mesmo assim vivo pela fé, dependo de Deus a cada dia! Sei que nada sou, sem Ele me suprindo cada dia fica muito difícil.

Mas graças a Deus posso dizer hoje que estou bem controlada, com o conhecimento dos meus limites e autodisciplina, posso dizer que desde o ano 2000 não preciso mais de remédios. Procuro ter uma vida bem regrada, me alimentando regularmente, dormindo em média 9 horas/dia, faço caminhadas três vezes por semana e procuro não sair muito de minha rotina, pois percebo que tudo isso afeta meu equilíbrio emocional.

Aprendi algo com essa provação! Aprendi que devemos nos sentir felizes por coisas bem pequenas, mas que tem grande importância, agradecer a Deus pela natureza, por nossas vidas, por nossa família, por nosso lar; umas das maneiras de sentir a Deus é ser-lhe grato! "Em tudo dai graças, pois essa é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco." I Tessalonicenses 5:18. Esse é o segredo contra a minha depressão!

Outra ... e toda essa minha dificuldade, hoje posso dizer também que me levou a ser mais sensível com os problemas das pessoas e procuro ajudá-las, o que é uma terapia sem igual.

Se você por algum acaso passou por isso ou tem alguém na família que teve ou tem este problema, não perca a esperança, não é fácil, mas nada acontece por acaso, Deus sabe o porque, cabe a nós aceitarmos e procurar vencer nossas dificuldades com Sua ajuda.

II Coríntios 12:9 "Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo."

II Coríntios 12:10 "Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte."

Que Deus te abençoe e ajude!

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também