"Deus falou comigo em primeira pessoa, isso é incrível!", afirma artista plástica

"Deus falou comigo em primeira pessoa, isso é incrível!", afirma artista plástica

Atualizado: Terça-feira, 17 Novembro de 2009 as 12

A artista plástica Cassiana Frucchi é o testemunho da criatividade de Deus. Aos 34 anos, mamãe do menino Pedro com 4 anos, essa paulista, nascida em Itapira descobriu suas habilidades manuais ainda criança. Aos 8 anos ela fazia esculturas em giz, usando um compasso escolar. Ao longo de sua vida e carreira passou por diversas experiências, fazendo arte por meio de esculturas. Mas algo de novo aconteceu! Há cinco anos ela ouviu falar de alguém que mudaria sua vida para sempre. Ela conheceu Jesus em uma experiência muito especial. "Deus falou comigo em primeira pessoa, isso é incrível!"

Cassiana conta que teve uma infância e juventude tranquila. Viajou por diversos lugares, e logo cedo buscou sua independência financeira. "Fazia qualquer coisa virar escultura: giz de escola, massinha e qualquer tipo de material. Hoje entendo que minhas habilidades manuais são dom de Deus", conta. Chegou a iniciar o curso de Veterinária, mas percebeu que não tinha vocação para essa profissão e preferiu continuar trabalhando com arte. Ela não cursou Belas Artes, como geralmente acontece, ou qualquer outra graduação nessa área. "Fiz vários cursos sobre escultura com ouro, peças, bijouterias, entre outras coisas e materiais. É a graça de Deus mesmo".

Há cerca de seis anos mudou-se para Belo Horizonte para dar continuidade ao seu trabalho com esculturas. Certa vez, trabalhando em uma festa como decoradora, se sentiu cansada e vazia. "Achava a vida muito chata. Estava cansada de tudo, tinha um buraco enorme na minha vida que procurava preencher com diversas outras coisas, uma delas, era tocando gaita." Ela conta que se afastou da festa e entrou em um galpão escuro no qual tocou o instrumento sozinha. De repente, ouviu a voz de uma pessoa perguntando quem estava tocando, era Iara, uma evangélica que estava por ali, apesar de que, não havia entendido que a moça era cristã. A nova amiga lhe convidou para a festa de aniversário dela que seria na mesma semana. "Cheguei na festa e não tinha bebida nem nada. Era muito diferente. Achei tudo aquilo muito estranho e perguntei para a Iara o que estava acontecendo e descobri que era uma festa com pessoas crentes". Ali, Cassiana conheceu a melhor amiga de Iara, Maria, que imediatamente começou a falar do amor de Deus para ela. A amizade se consolidou enquanto Iara foi morar na França. "Vejo o cuidado do Senhor com a minha vida que em cada momento. Ele foi colocando as pessoas certas no meu caminho. Desde aquela época comecei a viver vários milagres ao longo da caminhada".

O tempo foi passando e por cerca de um ano Maria continuou a convidar Cassiana para visitar a igreja e também uma célula (reunião de cristãos que compartilham sobre as experiências e o amor de Jesus). Apesar de não ter paciência para ficar nos cultos. "Ganhei uma nova amiga, mas continuava bebendo, saindo para baladas, mas tinha curiosidade de ver o que aqueles crentes estavam fazendo. O que mais me impactou em todo processo de minha conversão foi a presença do Espírito Santo nas reuniões da célula. Deus começou a falar comigo em primeira pessoa. No início não entendia, ficava confusa, mas o que queria mesmo, era ter as mesmas experiências que aquelas pessoas estavam tendo. Queria saber que ?barato era esse?, já que eles não bebiam, não usavam drogas e nem outros recursos ?estranhos? para aquelas manifestações. Vou continuar nessa reunião até ?sacar esse esquema? ", conta.

A primeira vez que Cassiana visitou a Igreja Batista da Lagoinha disse que ouviu o versículo que está em Isaías 41.14 que diz: "Não temas, ó vermezinho de Jacó, povozinho de Israel; eu te ajudo, diz o SENHOR, e o teu Redentor é o Santo de Israel." Ela identificou nessa passagem o carinho e zelo de Deus para com a vida dela. "A Palavra de Deus é muito profunda e tenho buscado intensamente conhecê-la cada dia mais", relata. Logo, decidiu-se que queria batizar e mergulhar naquilo que Deus tinha para ela, foi quando descobriu estar grávida. O momento foi difícil, mas ela escolheu obedecer ao Senhor. "Minha história teve que ser assim, muitas lutas, mais intimidade. Passei por todas as situações de minha vida para de fato conhecer ao Senhor".

O filho Pedro nasceu com problemas no sistema urinário, e atualmente usa uma espécie de sonda instalada logo abaixo de seu umbigo, na qual saem urina constantemente. "Ele usa fraldas e medicamentos especiais. Além das diversas cirurgias que passou, ele é uma criança extremamente alegre e tranquila. Se prosta no chão e me chama para orar e cantar com ele. É tão diferente, ele está crescendo amando ao Senhor". Cassiana fala convicta que crê na cura do filho em pouco tempo. Na mesma época da gravidez, ela conseguiu um emprego como escultora na UFMG, onde trabalha fazendo peças para auxiliar o ensino de deficientes visuais e está bem feliz com o trabalho desenvolvido.

A vida de Cassiana nunca mais foi a mesma, a partir de sua real conversão ao Senhor Jesus há quatro anos. Ela passou a produzir peças e esculturas inspiradas pelo Espírito Santo. Para Cassiana, o artista plástico tem a sensibilidade muito aguçada, mas que precisa ser bem direcionada para ter bons resultados. "Quando não conhecia Jesus minha sensibilidade era direcionada para outros lados diversos - bebida, festas, promiscuidade. Agora é diferente, ela é direcionada com unção e guiada pelo Espírito do Senhor. Eu não produzo peças simplesmente, eu obedeço a voz de Deus".

Nesse ano, no mês de julho, Cassiana fez sua primeira exposição na Igreja Batista da Lagoinha com lindas peças, todas relacionadas a algum versículo da Bíblia. Como material ela usa madeira, ferro, argila, pigmentos naturais, tinta, latão entre outros. A partir de sua matéria prima, ela cria uma harmonia entre os objetos. "Deus está restaurando a arte para a Igreja. Ela foi criada pelo Senhor", diz. Atualmente ela e o filho estão envolvidos com o ministério Gideões 24H, com apoio da pastora Ângela Valadão, onde é intercessora, no Ministério de Artes com o pastor José Raimundo, além de estudar hebraico, que segundo ela, é uma experiência bastante enriquecedora.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também