"Senhor, eu escolhi acreditar", testemunha cantor americano após a morte de sua filha

"Senhor, eu escolhi acreditar", testemunha cantor americano após a morte de sua filha

Atualizado: Terça-feira, 19 Janeiro de 2010 as 12

Há um ano e meio, o cantor e compositor cristão Steven Curtis Chapman passou pela dor suprema de enterrar a filha mais nova. Aos cinco anos, a menina Maria Sue foi vítima de um acidente na casa da  família, no Tennessee (EUA). Depois do deserto, ele achou forças na fé para continuar vivendo. Acaba de lançar um novo álbum, Beauty will Rise, e abriu um centro para atender crianças especiais na China, país de onde adotara três filhas, inclusive Maria. O artista conversou com Christianity Today:

CHRISTIANITY TODAY - Seu novo álbum parece uma coleção de salmos. Teve essa intenção?

STEVE CURTIS CHAPMAN - Sim, eu estava no vale da sombra da morte. Pude contemplar Davi batendo no peito e dizendo "alma, por que estás tão abatida dentro de mim"? Nesse trabalho, eu ignorei todas as minhas regras. Eu não estava compondo canções; estava clamando a Deus.

Além de escrever canções, de que outra forma você tem lidado com a dor?

Eu tenho lido livros bons e encorajadores. Mas o luto é único. Nossa dor é única, assim como nosso DNA; a forma como você a encara é muito particular. Contudo, algumas coisas me ajudaram e abençoaram meu coração enquanto estava nesse lugar sombrio, trazendo-me de volta à luz.

Foi difícil manter a fé diante de tanta dor?

No hospital, assim que soube que minha pequena filha estava na glória com Cristo, percebi que tinha que fazer uma escolha: acreditar ou não em Deus. Evidentemente, nós questionamos a Deus e tivemos nossas dúvidas. Até hoje, por vezes ainda me encontro sugado por um buraco denso e escuro de dúvidas e desespero. Tem sido um processo importante o de levar meu pensamento cativo a Deus e dizer: "Senhor, eu escolhi acreditar".

Tem certeza de que essa é a escolha certa?

Sim. Isso é o que a graça e o dom de Deus são capazes de fazer - no meio de tanta dor e solidão, o Senhor nos ajuda a fazer a escolha correta, ao lado dele. Essa é a mais louca teologia nesse processo da dor. E nós estamos fazendo essa escolha de novo, e de novo…

veja também