A importância da leitura musical

A importância da leitura musical

Atualizado: Quinta-feira, 7 Abril de 2011 as 11:23

Neste texto eu gostaria de falar sobre um assunto que sempre foi (e continua sendo) tratado como um enigma, ou até mesmo um fantasma, um monstro ou como quiserem chamá-lo. Não se sabe porque, mas os estudantes de música, e até muitos profissionais em plena atividade, têm medo da partitura; como se ela fosse algo terrível, ou impossível de se aprender. Podemos relacionar a partitura musical com a língua portuguesa, por exemplo. Na fala nós produzimos sons que querem dizer alguma coisa e, se quisermos registrar essa fala, escrevemos em um papel. Não é igualzinho à música? Temos o som de um instrumento e para registrá-lo, anotamos num papel. Do mesmo modo que estudamos o alfabeto, os sinais de ortografia, os acentos, etc, vamos aprendendo as figuras musicais, as pausas, os sinais de repetição, e assim por diante. É claro que leva um certo tempo. Ou você conhece alguém que aprendeu a ler um livro em dois dias?

Deste modo, se você está interessado em aprender a ler e escrever música, você deve procurar um professor que te ensine pelo menos o básico, que são os valores das figuras e pausas, e todos os respectivos sinais e símbolos relativos a ela. Aí, você poderá "se virar sozinho", pesquisando métodos, revistas e transcrevendo o máximo de músicas que puder.

Função da Partitura

Outro aspecto que divide opiniões entre os músicos é a função da partitura. Ninguém é obrigado a saber e escrever música. Há grandes músicos que não sabem ler uma nota. A leitura não é uma obrigação e sim uma ferramenta do músico. Vou citar 3 situações onde a partitura pode te ajudar:

Imagine que você está tocando numa banda de baile com 80 músicas no repertório e, a cada apresentação, entram 10 músicas novas. Você vai precisar de uma "memória de elefante" ou de uma pasta com as músicas escritas.

Vejamos agora você num estúdio, onde o maestro fez os arranjos de um disco com 12 faixas inéditas, e nestes arranjos temos duetos com percussão, convenções com os metais, introduções de bateria, trechos com variação de fórmula de compasso, etc. E é lógico, com o preço da hora de gravação o quanto mais depressa você gravar, melhor.

A partitura também te ajuda a criar seus próprios exercícios e auxilia na hora de você passá-los para alguém. Torna-se mais prático os músicos falarem uma linguagem única, ao invés de ficarem cuspindo as sílabas "ta tum pis tum tum".

Conclusão

Falamos um pouco aqui sobre "os porquês" de se ler música. É importante que fique bem claro que a partitura é uma ferramenta do músico. Não aprenda a ler somente para dizer: "Eu leio música, eu sou o cara!". O fator mais importante é a musicalidade e o que você tem para transmitir através dela. Tome muito cuidado para não virar apenas um colecionador de métodos e partituras, faça MÚSICA!

Por Adalberto Brajatschek

veja também