"A visão do mercado gospel é míope", afirma Maurício Soares

"A visão do mercado gospel é míope", afirma Maurício Soares

Atualizado: Terça-feira, 27 Julho de 2010 as 9:53

Uma nova visão para o mercado da música cristã nacional. Esta é a proposta da Sony Music com as novas contratações do meio gospel. Grandes nomes como Cassiane, Banda Resgate, Elaine de Jesus, Renascer Praise, Leonardo Gonçalves e Damares - a mais recente - são alguns dos que já estão no casting da gravadora.

Em entrevista exclusiva ao Guia-me, o diretor executivo do selo gospel da Sony Music, Maurício Soares falou sobre as propostas da gravadora para tal segmento, a necessidade de mudanças nas perspectivas do mercado fonográfico cristão nacional e os planos para exposições como a ExpoCristã e outros eventos.

Confira a entrevista na íntegra:

Guia-me: A Sony Music agora está investindo bem na música gospel. O que a fez se voltar para este segmento?

Maurício Soares: Nos Estados Unidos a Sony Music é a principal gravadora também no segmento de música gospel através dos labels Provident, Verity e Integrity. No Brasil, a companhia esteve sempre por perto do segmento gospel em ações isoladas até que com o crescimento dos últimos anos a gravadora optou por desenvolver um projeto mais completo.

Guia-me: Os estilos contratados pela gravadora até o momento são de grande destaque e bem variados. Rock (Resgate), country / louvor (Marcelo Aguiar), pentecostal (Cassiane), louvor e adoração (Renascer Praise), black/alternativo (Leonardo Gonçalves), etc. A intenção da Sony já era diversificar desde o início de seu selo gospel?

Maurício Soares: Quando se fala de música gospel não temos uma definição de estilo musical, mas sim de uma corrente temática, neste caso, assuntos ligados à fé, questões bíblicas e devocionais. Portanto, como a música gospel está representada em diferentes estilos, nada mais correto do que contar com diversos gêneros e artistas de diferentes linhas em nosso cast.

Guia-me: O Leonardo Gonçalves tem um estilo que mistura Black Music e outras influências em uma música bem elaborada. Isso acaba o diferenciando de muitos músicos do meio evangélico. A contratação dele também seria a intenção de mostrar uma "nova cara" do gospel pela Sony?

Maurício Soares: Seguindo esta mesma tendência de diversificação, procuramos trazer para nosso cast os principais representantes de cada estilo musical, dando maior espaço para artistas de música pentecostal que representam a maior fatia do consumo no segmento. O caso do Leonardo Gonçalves é emblemático porque entendemos que ele representa uma boa parcela de pessoas que curtem uma música diferenciada, algo mais elaborado, mais Cult.

Guia-me: Em outras entrevistas, você falou sobre a necessidade de uma reciclagem na música gospel. Você que o público também já esteja começando a se cansar da "mesmice" ou ainda poderiam aceitar esse perfil por mais tempo?

Maurício Soares: Acho que os fenômenos recentes do Régis Danese, Damares e Lázaro demonstram que o público ainda quer consumir música. O desafio das gravadoras é identificar essa ''vontade coletiva'' e adequar-se às demandas. Também creio que o marketing das gravadoras do segmento tem que ser feito de forma mais profissional e focada. Nosso objetivo é trazer algo novo para os projetos de música gospel. Felizmente em todos os projetos que estamos trabalhando percebemos que a qualidade está bem elevada, como nos trabalhos do Resgate, Cassiane e Renascer Praise, só para citar alguns.

Guia-me: Sendo uma gravadora que vem com muito tempo de experiências no meio secular, o que a Sony pode acrescentar de bom ao mercado fonográfico do meio gospel?

Maurício Soares: A Sony Music pode e já está contribuindo e muito para os projetos de música gospel no Brasil. Estamos tendo acesso a um universo digital e de novas oportunidades que nem em 10 anos conseguiríamos desenvolver com estrutura própria. Também estamos tendo acesso a novos canais de distribuição e mídia jamais alcançados, isso sem falar no acesso a novidades tecnológicas, novos padrões de produção e marketing. O ganho para nosso mercado por esta chegada da Sony Music é enorme!

Guia-me: Vocês pretendem marcar presença em Feiras Evangélicas como a ExpoCristã, por exemplo, de quais formas? E pretendem estar com quantos cantores cristãos aproximadamente até lá (ExpoCristã 2010)?

Maurício Soares: Nossa meta é montar um cast de 15 artistas nacionais. Hoje temos 9 artistas contratados e nos próximos dias mais 2 ou 3 estarão assinando conosco. Na verdade, nossa preocupação não é com a quantidade de artistas, mas na representatividade e qualidade do cast. Na ExpoCristã confirmamos a presença de Cassiane, Rayssa e Ravel, Leonardo Gonçalves, Marcelo Aguiar, Renascer Praise, Elaine de Jesus, Resgate entre outros.

Guia-me: A concorrência entre gravadoras é visível, principalmente no meio gospel. Como seria possível vencer tais bairreiras e criar uma assossiação de gravadoras?

Maurício Soares: Uma boa pergunta. Também sou um entusiasta desta visão, mas infelizmente a visão de concorrência entre os players do mercado gospel é bastante míope. Basicamente não há nenhuma iniciativa de aproximação entre as empresas e quem sai perdendo com isso é o próprio mercado. Talvez daqui em diante essa mentalidade retrógrada, da época do feudalismo possa ser repensada e modificada. Vamos torcer por isso!

Por João Neto - www.guiame.com.br

veja também