Análise: Restauração, novo CD de Nani Azevedo

Análise: Restauração, novo CD de Nani Azevedo

Atualizado: Sexta-feira, 21 Outubro de 2011 as 4:13

Restauração é o título do novo álbum do cantor e compositor Nani Azevedo, da gravadora Central Gospel Music, que foi gravado ao vivo no dia 11 de junho deste ano ,na então recém-inaugurada ADVEC, (Assembleia de Deus Vitória em Cristo) em Curitiba.

A produção ficou por conta do baixista Morbeque e os arranjos são de Saimon Saldanha, ambos parceiros de longa data de Nani. O time de músicos trouxe muita gente de primeira: Misa Jr. (teclados), Daniel “Kbça” (bateria), Dadal (percussão), Jimmy (violão e guitarra), Marcos Pereira e Osvaldo Ferraz (violões), João Pedro (cello), Lelo e Bicudo (trompetes), Ismael Veiga e Fabio Deiverson (sax), Rodriguinho e Alexandre Zultanski (trombones) e Marquinhos Menezes, Lilian Azevedo, Josy e Joelma Bonfim e Oséias (vocais).

A apresentação do CD enquanto produto ficou muito agradável. Embalagem digipack, as fotos e o projeto gráfico estão de muito bom gosto. A logomarca criada especialmente para este projeto causa um impacto visual interessante em quem está visualizando as prateleiras das lojas. Vamos então para a parte musical...

O repertório começa com Cantai ao Senhor, música de autoria do próprio cantor, inspirada no Salmo 96. Letra simples e de fácil aprendizado. É daquelas canções que vai atender tanto ministérios mais virtuosos quanto iniciantes, pois proporciona possibilidades de se adaptar os arranjos. Destaque para o arranjo vocal na introdução e pra “metaleira” curitibana, que mandou ver nas “quebradeiras” propostas por Saimon. Aliás, se seu ministério está procurando canções de celebração, fica também a sugestão para ouvir com bastante atenção as canções Glória a Deus (Marcos Asa) e Vencedor (Fabinho Batista).

Quero ministrar (Marcos Asa) é uma canção própria pra momentos de comunhão. Esse é o momento de se ministrar cura, provisão e alegria que só Deus pode dar. Preste bastante atenção nas variações de vocal quando se fala sobre alegria durante o coro da música. Marquinhos Menezes e seu time foram muito felizes nesses vocais.

Restauração (Claudivan de Barros) dá título ao trabalho e fala sobre restauração total das diversas áreas do ser humano. Bela composição e interpretação. O instrumental na medida.

Enquanto o Milagre não vem foi composta por Nani Azevedo após uma mensagem ministrada pelo pastor Davi Gomes. Observa-se bem a didática de sermão que a música traz. Nessa canções os violões estão bem valorizados.

O disco também traz muitas canções de quebrantamento e adoração. Essa sessão começa com Quebranta-me (Marcos Asa) e continua em Seja adorado (Claudivan de Barros). Esta última, apesar da métrica que traz um pouco de dificuldade pra se cantar com a igreja na estrofe, tem um coro muito bem resolvido. Foi um dos momentos mais intensos da gravação. O vocal ficou incrível!

Os nomes de Deus (J. Castro) é daquelas composições interessantes pra solistas, com uma letra mais extensa, constrastes instrumentais e boas aparições do vocal.

Deus que não falha (Nani Azevedo) é a canção pra fazer uma rodinha com vocal e violão. O resultado foi uma canção muito agradável. A cobertura com sons de órgão de Misa Jr. Deu um toque especial.

Seguirei o Mestre é a canção com a letra e música que mais me agrada no CD. É um dueto com Rachel Malafaia. Um desafio missionário de muito bom gosto e criatividade. A música gospel estava sentindo falta de canções deste nível. Parabéns ao Saimon Saldanha, que se revela um excelente compositor!

Concluindo, o CD Restauração tem ingredientes de sobra para cair no gosto das congregações pelo país a fora. Indico com muita tranqüilidade!

Por André Mattos Via Supergospel

veja também