Arte e cristianismo são temas abordados pelo Palavrantiga em bate-papo

Arte e cristianismo são temas abordados pelo Palavrantiga em bate-papo

Atualizado: Sexta-feira, 25 Fevereiro de 2011 as 3:38

Consagrada na cena independente da música cristã como uma das revelações dos últimos anos, a banda Palavrantiga é formada pelos mineiros e capixabas Marcos (vocalista), Josias (guitarrista), Lucas (baterista) e Felipe (baixista).

Em sua passagem por São Paulo para lançar o CD Esperar é Caminhar, a banda Palavrantiga atendeu ao portal Guia-me e de forma descontraída e dinâmica falou sobre a arte, a música e os novos projetos. Confira os principais trechos do nosso bate-papo.

Quem são eles

"O Palavrantiga são quatro amigos que acreditam na reconciliação, na Boa Nova e tentam vivenciar e experimentar tudo isso não somente de uma forma teórica mas como uma vida. A partir desta vivência que tem como base de vida do evangelho a gente ta criando arte, inventando moda." (Marcos)

O Começo

"Essa configuração Belo Horizonte e Vitória acontece desde a época que éramos a banda de apoio da Heloisa Rosa, ela foi de certa forma a responsável por essa união. Ela tocou em 2002 com o Lucas e o Felipe e sentiu uma unidade boa com eles e da sonoridade que se formou, em 2004 eles foram tocar com ela e logo após eu entrei (Josias) e o Marcos entrou por último com tecladista. Por fim quando a gente entendeu que era hora de começarmos o trabalho com as músicas que já haviam sido compostas pelo Marcos, entendemos que seria frutífero começar o nosso trabalho que já estava em andamento por três ou quatro anos." (Josias)

Influências Musicais

“Eu gosto muito de um baixista chamado Felipe Pinheiro (baixista da banda). Ele me apresenta músicas que eu gosto, fala pra eu abaixar o som da guitarra, contribui pra minha questão de dinâmica na banda, a questão da timbragem” (Josias)

“Gostamos de falar que nos influenciamos um pelo outro. Desde pequeno sou muito influenciado pelo meu pai e avô que sempre escutaram de tudo desde musica européia até americana e inglesa. Estamos aprendendo muito nessa caminhada e buscamos escutar de verdade o que um tem ouvido, tem falado. Essa proposta e idéia enriquecem bastante o grupo em termos musicais” (Felipe)

“Tudo influencia, não somente a música. Um filme que você assiste, o livro que você lê serve como influência. Essas canções mais antigas do grupo foram influenciadas muito mesmo pelo silêncio já que foram compostas nesse ambiente de introspecção. Passo muito tempo vivendo com o silêncio e descobri que é uma mania boa e compartilhada por outros compositores porque quando você  esta em silêncio vocÊ consegue se ouvir. (Marcos)

Processo criativo

"As canções que componho chegam com harmonia, melodia e letra para os meninos. As músicas do CD Esperar é caminhar  foram compostas por mim, eu apresentava para os meninos e a partir daí a bagunça começava. Esse processo é bem orgânico e dinâmico e nada arquitetado. O que a gente preza é pelo encontro, quando reunimos os quatro alguma coisa acontece. Uma levada na bateria, um groove no baixo, uma frade guitarra já vai conduzindo a musica pra outro lugar e dando cara de banda. Especificamente para esse disco a gente se reuniu em um local durante uma semana, era uma tenda de circo em Belo Horizonte e tínhamos um computador ligado, aparelhagem de som e ali virou a nossa casa. Acordávamos e  um pegava a guitarra mostrava alguma idéia, enquanto tudo era gravado, e no final desse processo criativo e coletivo a gente ouviu o que seria interessante e fomos pro estúdio. Gravamos quase tudo em uma semana e depois fui colocando a voz e alguns detalhes." (Marcos)

Objetivo da banda

"Um propósito bem claro para nós hoje é de não fazer da nossa arte um veículo panfletário, nem doutrinário e nem proselitista. Isso é meio antagônico diante de um chamado que todo cristão tem de pregar as boas novas. Na verdade ele se torna antagônico somente a primeira vista porque a gente entende que a partir do momento que vivemos o evangelho a temos  uma pregação mais contundente que um discurso e uma canção. Nosso objetivo enquanto cristão é ser cristão e enquanto artista é ser artista." (Marcos)

O artista

"O artista expõe, dá acesso a quem quiser aquilo que é uma expressão da vida dele. Temos experimentado o evangelho e lutamos com isso na tentativa de ser honesto com aquilo que a gente canta. O artista não deve colocar a arte dele a disposição de coisas relacionadas a doutrinação e catequese porque toda arte submetida a isso fica restrita e diminuída. Não queremos de forma alguma que nossa arte seja um veiculo para utopia, fora da realidade". (Marcos)

Música religiosa atual

"Não acreditamos que a nossa arte deve estar submetida a outra esfera da realidade como tem acontecido na música religiosa atual que só é justificada pelo fato ou não de conseguir adeptos para a religião. Alguns ainda pensam que o artista só tem utilidade na nossa formatação social se ele colocar a arte dele a disposição de um veiculo eclesiástico mas a gente entende que não é preciso fazer isso pra alcançar esse objetivo, acreditamos que é diferente e que ao tirar essa responsabilidade do ombro do artista conseguimos ter uma arte mais plena. Estamos sendo um pouco mais simplista o que queremos deixar claro que o Palavrantiga é uma banda de crentes que acreditam em Jesus, que dão a vida pra viver o evangelho de forma honesta e sincera mas que entende a arte como uma esfera que tem dignidade própria que não precisa se sujeitar a nenhuma outra esfera." (Marcos)

Pastoreados

"Desde o inicio da caminhada quando nos conhecemos temos a honra de ter um pastor que é muto amigo e nos acompanha, que é Pr. Jorge Diniz da igreja Presbiteriana do bairro de buritis em BH. A gente diz que temos essa honra porque não são todos os crentes que tem esse privilégio já que entendemos como pastor aquele que cuida das ovelhas, não o pregador. Pastor é aquele que liga,acompanha, vive próximo da ovelha. " ( Marcos)

Ministração da Palavra

"Quando nos convidam para tocar no espaço onde a igreja congrega e participar do culto temos essa liberdade para pregar e compartilhar a palavra e isso é outro privilégio porque quando a palavra é anunciada ela transforma muito mais que qualquer canção que a gente pode fazer, mais do que discos, ou quadros e temos compartilhado a mensagem de forma muito clara e a vontade." (Marcos)

Nome do disco " Esperar etimologicamente falando vem de esperança e quem tem esperança caminha. Isso pra gente é uma síntese daquilo que é a proposta do evangelho. O evangelho não propõe uma esperança utópica e sempre confronta a gente com a realidade de quem não somos e porque o mundo é assim e nos convoca para caminhar neste mundo, o mundo real. Essa espera não é estática que você senta numa cadeira e espera para ver o que acontece. A espera acontece enquanto você. O significado é esse, de que essa caminhada é longa, é uma jornada e Deus tem dado esses suprimentos para nós e tem nos surpreendido." (Marcos)

Parceria com a Canzión

"Em nosso jargão o contrato com a Canzión é Deus alargando as tendas e isso trás pra gente uma alegria enorme e aumenta nossas responsabilidades, mas é uma parceria fantástica. A primeira pergunta que o Daniel (diretor da gravadora) fez pra gente foi o que esperávamos  de uma gravadora e eu falei:  sinceramente eu espero que ela acredite no nosso projeto, a gente tem chamado essa banda de banda brasileira de rock Palavrantiga e isso tem vários significados e entre eles está o fato de não querermos estar debaixo de um argumento religioso pra vender nossa música e eles acreditaram que é possível vender a música sem que ela esteja atrelada a uma justificativa religiosa." (Marcos)

Agenda

"Temos sido bem recebidos pelo povo brasileiro e pelas igrejas.  Esse ano isso tem intensificado mais e pretendemos chegar  a lugares que não fomos antes como Maringá, Belém, Recife. Uma coisa interessante é que vamos nos espalhar pelo Brasil e não concentrar somente nossas apresentações em Minas Gerais e Espírito, o mais legal é que as pessoas estão interessadas em nossa proposta, não apenas uma banda pra fazer um som na igreja, as pessoas se sentem motivadas a fazer algo pra fora da igreja e tentar contribuir de alguma forma na inspiração das pessoas em sua comunidade." (Marcos)

Apresentações no Meio Secular

"Desde o início isso tem acontecido de forma muito natural, a gente no primeiro ano já tocou numa casa em BH, Minueto Café, que é uma escola de música que recebe bandas alternativas e nosso primeiro show tinha 12 pessoas, na segunda vez fomos recorde de público fomos tocar nossas musicas e não falar de religião e tocamos essas canções que tocamos dentro da igreja e não sei te responder como isso acontece, a gente foi tocou, os caras ouviram e gostaram. Depois o Henrique Portugal, do Skank, convidou a banda para participar de um programa que chama Feira Moderna e ele tocou Vem me socorrer junto conosco essa experiência que validou a idéia de fazer uma música sem restrição e divisão e foi pra isso que fomos chamados. Tocamos na UFMG e alguns eventos organizados pela igreja nesse caráter mais estéticos e menos evangelístico e eclesiástico. Tocamos em Sabará num teatro que Dom Pedro II esteve, tivemos que conter o pessoal porque o lugar tem mais de 250 anos e lá nos sentimos realizados porque é um espaço feito pra isso, para o artista para o músico." (Marcos)

Por Pollyanna Mattos

veja também