Banda ‘Mensageiros da Vox” vira selo de responsabilidade social no meio gospel e secular

Conheça a nova vertente da música religiosa: o "neogospel"

Atualizado: Terça-feira, 27 Março de 2012 as 9:36

Motivados em buscar um nicho segmentado no meio da música, um dia amigos de diferentes religiões se juntaram para tocar em asilos públicos, hospitais e projetos sociais. O idealista desta proposta, José Aparecido de Souza Cristovam, sentia necessidade de cantar pelo que chama de “causa maior”, mas sem assumir o rótulo de banda gospel. A tradução de tais desejos e misturas foi denominada por eles de “neogospel”.

Em entrevista ao G1, o baixista da e líder do grupo “Mensageiros da Vox” explica que para fugir do estigma, ele recrutou católicos, evangélicos, espíritas, budistas – e até um baha´i (religião fundada na Pérsia no século 19,) – dispostos a transformar um grupo musical em trabalho social. Ganharam fama inicialmente fazendo releituras de músicas do mercado secular. A melodia se mantinha, mas as letras ganhavam um novo protagonista: Deus.

Com letras doces, a banda toca em locais que tenham alguma necessidade específica. Os shows arrecadam mantimentos e o cachê dos músicos também é destinado à instituição carente. “Falamos de intolerância no trânsito, racismo e desigualdade. Deus está no nosso sentimento, não mais nas letras. Nos shows, o público jovem divide espaço com padres, monges, pastores. Todas as religiões se sentem representadas.”

O trabalho voluntário musical é conciliado com carreiras paralelas. Cristovam é empresário nas horas vagas, e assume o baixo e a liderança da banda agora na maior parte do tempo. A visibilidade começa a deixar de ser restrita à região metropolitana de São Paulo. Uma missionária brasileira da Cruz Vermelha, que vive na França, tenta levá-los ao Festival de Verão de Paris. “Espero que dê certo. A gente nem sonhava em tocar fora do Brasil.”

O grupo compôs 12 músicas para o primeiro CD da banda e gravou um DVD no Teatro Municipal de Mauá. O investimento da produção foi custeado pelas empresas que apoiam a iniciativa. Tal elo entre religião, pessoas jurídicas e físicas foi nomeado por eles de “Ciclo do bem”.

Conheça uma das músicas do "Neogospel"

 

veja também